Não faz tanto tempo que a molecada usava moicano e pintava o cabelo como forma de mostrar os dentes para pais engravatados. Hoje, cachorros de estimação também têm moicanos azuis. Eles têm moicanos azuis, pelos multicoloridos, alongamento para as “madeixas” e cortes radicais estilosos dignos de rock stars. De acordo com o casal de tosadores Felipe Corrêa, 25 anos, e William Galharde, 30, vencedores em campeonatos mundiais de pet grooming, os pais desses cães (ou donos, como alguns chamam) procuram, cada vez mais, serviços sofisticados de tosa.

Felipe e William estão juntos há oito anos, trabalham em uma empresa de cuidado de animais em São Paulo, a loja Pet Center Marginal, e participam de concursos de tosa nacionais e internacionais. Felipe, que compete em categorias de “criatividade”, já transformou cães em pierrôs, Homem de Ferro e até em “quadro de Romero Britto”, para eventos.

O tosador vê um aumento na demanda por cortes e pinturas excêntricas. “Os clientes estão entendendo que esse tipo de serviço não prejudica o animal. Eles procuram o ‘diferente’, querem sair da rotina de ter seus bebês toda semana do mesmo jeito”.

Felipe e William, em competição brasileira de pet grooming

Felipe e William, em competição brasileira de pet grooming

Felipe explica que as tinturas utilizadas para pintar o pelo são seguras e próprias para os bichos. “Para realizar um procedimento desse tipo, a primeira coisa que levamos em conta é o bem estar do animal. O cão tem de se sentir à vontade em cima da mesa, ou não realizamos o procedimento. Para o cachorro, pouco importa se ele está pintado de azul, rosa ou colorido. O que ele realmente se importa é com o carinho que recebe”.

William, por sua vez, começou a trabalhar com pets há 15 anos e calcula que, a cada ano, dê palestras e workshops para cerca de 2,5 mil pessoas, em feiras e eventos. “Hoje, trabalhar com estética animal é algo que dá futuro, mas não basta lavar e cortar pelo. Hoje, os clientes cobram muito mais a capacitação do profissional do que há 10 anos. Você tem de entender de saúde e bem estar do cachorro. Além disso, tem de estar antenado nas tendências de cortes e produtos. Muitos dos produtos que usamos, atualmente, vieram da indústria de comésticos para pessoas”.

E há, sim, tendências no mundo do corte de pelo canino. A tosa japonesa, para cães de pelagem longa, em que eles ficam com um “cabelo de samurai” (tipo Celso Kamura), está super “in“, por exemplo. “Por causa da crise hídrica em São Paulo, um corte que também se tornou popular é o corte militar, uma tosa baixa com acabamento mais longo na cabeça ou cauda. É bonita e prática para lavar”, explica William.

Sem mais artigos