Quem?!?! Dupla sertaneja.

Emílio: Vocês estão lançando um novo DVD e um CD duplo. E onde foi gravado esse DVD?
Cezar: Foi em Valinhos.
Bola: Em Valinhos!
Cezar: Com participações de Sérgio Reis, Inezita Barroso, Chitãozinho e Xororó, Belmonte e Amaraí, Craveiro e Cravinho, Ed e Fábio, Johnny Everson do Mato Grosso do Sul… Enfim, um trabalho feito com muito carinho, viu Emílio. E teve um amigo nosso que foi para a Suíça, agora recentemente, e levou para lá 25 DVDs desse aí. E, como tem muita gente do nordeste morando lá, fãs do Cezar e Paulinho, ele disse que não deu nem pro cheiro e foi um sucesso o DVD lá.
Paulinho: Graças a Deus.
Cezar: Porque todas as músicas são regravações de sucessos de 20, 30, 40 anos atrás…
Emílio: Clássicos!
Cezar: Clássicos! Do sertanejo bem raiz.
Amanda: Mas são essas músicas tristes, que dá vontade de se matar?
Paulinho: Não, meu bem! Música alegre.
Cezar: Tem música dançante.
Emílio: Tem “Chico Mulato”
. Paulinho: É, tem “Chico Mulato”!

HISTÓRIAS
Emílio: Eu acho que para contar história, não existe música melhor do que a sertaneja de raiz. Acho que são as músicas mais bonitas da música popular brasileira.
Paulinho: Eu também acho. E são tudo histórias. Às vezes são verdadeiras, às vezes não são. Eu tenho uma história muito boa sobre a qual eu vou tentar fazer uma música: eu tava muito apertado – mais do que eu estou agora, porque agora eu to igual a pinto no ovo de tão apertado…
Cezar: O Paulinho anda mais apertado que São Jorge na lua minguante.!
Emílio: Do que a calcinha da Preta Gil!
Paulinho: Então, eu estava em um “atuxo” medonho e eu queria comprar um carro, né. E um amigo meu comprou um carro novo – isso foi verdade -, lá em Piracicaba. Só que ele tinha uma rinite medonha, e eu sabia. Um dia eu falei: “Me empresta a chave do carro para eu dar uma volta?”. Eu peguei e acendi dois charutos dentro do carro e liguei o ar-condicionado, para impregnar o carro…
Bola: Que filho da mãe!
Paulinho: Aí eu andei uma meia hora no carro. Daí, na hora que eu devolvi, ele estava entupido de fumaça. Na hora que ele viu, ele disse: “Paulinho, perdi o automóvel!” E eu disse: “Não perdeu, porque eu compro.” E ele perguntou: “Quando você dá?” Vamo supor que o carro valia 80, eu comprei por 40. Comprei uns quatro carros dele desse jeito!

SERTANEJO ATUALMENTE
Amanda: Eu tenho uma pergunta.
Emílio: Pois não.
Amanda: Agora está muito na moda Luan Santana, aquele Michel Teló, Paula Fernandes e essa galera nova…
Paulinho: com esse “nova” você quer dizer que nós somos velhos, né?
Amanda: Mais ou menos. Mas quem vai nesses shows são as menininhas da “facul”, bonitinhas e tal.
Cezar: Meninas da onde?
Amanda: Da faculdade. As gostosinhas. E eu queria saber se isso é bem aceito porá essa galera que ta, assim, buscando uma música mais Pop, mais… Quase música Pop mesmo, quase Lady Gaga.
Paulinho: Eu acho sensacional.
Cezar: Na verdade é uma sequência da música. Porque cada época tem uma fase da música.
Paulinho: Para você ver o Luan Santana gravou uma música nossa, a “Loira do Carro Branco”. Ou seja, nós gravamos essa música em 1981, há 30 anos, e ela não mudou…
Cezar: Só mudou a levada.
Paulinho: A música não muda, o que muda são os artistas que a cantam.

Sem mais artigos