A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, felicitou nesta terça-feira por telefone a líder das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, por ter recuperado seu neto Guido, nascido em cativeiro durante a última ditadura militar.

“Cristina me ligou, me perguntou se era verdade, lhe disse que sim e aí choramos juntas”, declarou Carlotto durante a entrevista coletiva na qual anunciou a confirmação da identidade de seu neto, filho de sua filha Laura, sequestrada e assassinada pelo regime ditatorial.

A filha de De Carlotto, que estava grávida quando foi detida pelas forças da ditadura, teve seu filho roubado pouco após ter dado à luz e aquela criança, hoje um homem de 36 anos, perdeu sua verdadeira identidade.

O neto recuperado, o 114º que as Avós conseguiram recuperar, é filho de Laura Carlotto, detida em novembro de 1977 e levada ao centro clandestino de detenção de La Cacha, na cidade de La Plata, 60 quilômetros ao sul de Buenos Aires.

Laura teve um bebê que nasceu em cativeiro no dia 26 de junho de 1978 e a quem chamou de Guido.

O corpo de Laura Carlotto foi encontrado sem vida e entregue a sua mãe no mesmo dia do assassinato, mas seu filho Guido não foi achado e a busca levou Estela de Carlotto, de 83 anos, a ser uma das fundadoras da associação Avós de Praça de Maio.

Mais de 30 mil pessoas desapareceram durante a última ditadura argentina, segundo os organismos defensores de direitos humanos, e cerca de 500 crianças, filhos de vítimas em sua maioria, foram roubados e afastados de suas famílias biológicas.

Sem mais artigos