A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva pediu hoje (17) que os dirigentes mundiais não deixem a 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15) sem o compromisso necessário para salvar o planeta. As informações são da agência portuguesa Lusa.

Marina chegou a comparar os perigos provocados pelo aquecimento global à escravidão e ao Holocausto. “São acontecimentos tão graves que não podemos puni-los nem perdoá-los”, disse. “Se partirmos de Copenhague sem acordo, será do mesmo nível, o mal absoluto”, acrescentou .

Negociações para acordo sobre clima não são promissoras, diz chanceler alemã 

Na véspera do encerramento da 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou hoje (17) que as novidades em Copenhague não são boas. Segundo ela, as negociações para um acordo global não parecem promissoras. As informações são da agência portuguesa Lusa.

A chanceler disse esperar que a presença de mais de 100 chefes de Estado dê o impulso necessário ao evento. Para ela, a conferência será uma espécie de teste para mostrar se os países vão conseguir mudar o rumo do desenvolvimento mundial.

Até amanhã (18), negociadores de mais de 190 países têm a difícil missão de chegar a um consenso sobre o novo acordo climático para complementar o Protocolo de Kyoto depois de 2012

Em Copenhague, Marina Silva compara aquecimento global à escravidão e Holocausto

Sem mais artigos