As baratas devem estar na lista de muita gente como a coisa mais nojenta do mundo. E agora essas pessoas podem começar a ter medo. Pois, além de nojentas, elas podem se tornar brinquedos de muitas crianças. Os cientistas da empresa Backyards Brains desenvolveram um artefato parecido com uma mochila que, quando ligado à barata, controla os seus movimentos. A empresa vai começar a venda doméstica deste “brinquedo”.

Para utilizar o brinquedo, primeiro é preciso anestesiar a pobre da barata na água gelada. Para depois lixar sua cabeça para prender um eletrodo com supercola. Um fio terra é, então, inserido no tórax do inseto e suas antenas são separadas para eletrodos de prata serem conectados. E, assim, através do envio de impulsos eletrônicos, é possível enganar o inseto, utilizando um aplicativo para celular, de que ele precisa virar para a esquerda ou para direita.

Os fabricantes apostam que este aparelho pode funcionar como um bom meio de auxiliar professores a ensinar as crianças como o cérebro funciona. E insistem que tratam “humanamente” as baratas.

Segundo o “Dailymail” , o estudioso de bioética, Gregory Kaebnick, do centro de pesquisa Hastings de Nova Iorque disse a revista Science que a “Barata-robô ensina as crianças é jogar e manipular as coisas vidas” e que o produto é no mínino “desagradável”.

A empresa admite que anda recebendo e-mails negativos sobre sua invenção. “Como cientistas, nós lidemos com a vida e fazemos isso o tempo todo, com a diferença de que atuamos com as portas fechadas. Acho possível que este brinquedo ensine as crianças que, ao seguir as regras ‘cirúrgicas’, elas estarão cuidando do bem estar das baratas e aprendendo a minimizar o sofrimento sempre que possível”, disse Greg Cage, co-fundador da empresa, ao “Dailymail”.

Sem mais artigos