O aventureiro britânico Ranulph Fiennes sofreu graves congelamentos durante um treino, o que o levou a desistir de seus planos de atravessar a Antártida durante o inverno, anunciaram nesta segunda-feira (25) os organizadores dessa expedição.

A equipe que acompanha Fiennes espera agora que as condições climáticas melhorem para que ele possa ser levado à estação antártica Princesa Isabel, a 70 quilômetros de onde se encontra, para mais tarde seguir à África do Sul.

Aos 68 anos, Fiennes treinava para tentar atravessar uma das regiões mais frias do planeta durante o inverno, que começa no próximo dia 21 de março no hemisfério sul. Ele faria uma caminhada de mais de 3.200 quilômetros em escuridão quase completa e com temperaturas que podem atingir quase 90 graus abaixo de zero. O trajeto a pé que deveria percorrer começa na base russa Novolazareskaya e acaba no Mar de Ross, uma baía profunda no oceano Glacial Antártico.

O britânico ficou ferido após cair na neve durante um treino e ter tentado consertar um dos engates de seus esquis com as mãos descobertas a uma temperatura de menos 30 graus centígrados, explicou em comunicado a organização britânica “Seeing is Believing”, que impulsionou a travessia.

“Até que o tempo não melhore, Fiennes não poderá sair. O plano de evacuação está por enquanto suspenso porque uma nevasca torna impossível sua transferência à base”, afirmou a organização, que recolhe fundos para prevenir a cegueira.

Os companheiros de Fiennes, que saíram de Londres com ele no dia 6 de dezembro, têm intenção de continuar com um desafio que procura “forçar os limites da resistência humana”, segundo descreveu o explorador.

Até agora, nenhuma expedição conseguiu atravessar a Antártida durante o inverno tal como pretendia fazer Fiennes – primeira pessoa que chegou aos dois pólos por terra e o britânico mais velho a escalar o Everest, aos 65 anos. 

Sem mais artigos