O Governo do Japão assegurou que a explosão que aconteceu neste sábado na usina nuclear 1 de Fukushima (norte do Japão) não foi no reator nem produziu um grande vazamento radioativo.

Em entrevista coletiva, o porta-voz do Executivo, Yukio Edano, disse que a explosão, que também não danificou o depósito que protege o reator, aconteceu por causa de uma reação química entre hidrogênio e oxigênio e assegurou que diminuiu o nível de radiatividade na área.

Apesar disso, o Governo mantém a ordem de evacuação em um raio de 20 quilômetros em torno da usina, mas Edano insistiu que se trata de uma medida de “prevenção” e que não há um risco específico.

O acidente aconteceu às 15h36 hora local (3h36 de Brasília), quando uma equipe tentava esfriar um reator nuclear da usina 1 de Fukushima, danificada pelo forte terremoto de ontem.

A explosão derrubou o teto e as paredes do armazém que abriga o depósito do reator e deixou quatro feridos que, segundo a companhia elétrica operadora da usina, não estão em estado crítico.

O fato na usina nuclear de Fukushima agravou seriamente a preocupação no Japão, onde a Agência de Segurança Nuclear tinha alertado para a possibilidade de que ocorresse um processo de fusão no reator, com o risco de liberar uma elevada radiatividade.

A advertência foi emitida depois que se detectasse césio radioativo perto da usina, aparentemente procedente do reator.

Após o terremoto de 8,9 graus na escala Richter, segundo dados do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), o nível de radiatividade na usina alcançou até mil vezes seu nível habitual na sala de controle de um reator e até 70 vezes seu nível perto da entrada principal.

Para o local viajou na primeira hora de hoje o primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, que qualificou o terremoto como um desastre “sem precedentes” no Japão e assinalou que o tsunami posterior foi muito maior que o esperado.

Também agradeceu a ajuda internacional oferecida ao Japão para enfrentar a devastação e disse que avalia a possibilidade de enviar soldados de reforço para os trabalhos de emergência, dos quais já participam 50 mil militares.

Explosão em usina nuclear japonesa não foi no reator, diz Governo

Sem mais artigos