Um criminologista inovou no modo de treinar os detetives. Ele resolveu criar cenas de homicídios em miniatura para revelar os mínimos detalhes dos crimes cometidos.

A criação foi feita por Frances Glessner Lee entre os anos de 1940 e 1950, mas foi reproduzida em fotos só agora por Corinne Maio Botz, que separou 18 obras para uma exposição.

A princípio, a criação até pode parece composta por diversos brinquedos de crianças, mas é possível perceber que a sequência de imagens mostra uma reconstituição em miniatura.

Para realizar o feito, Corinne estudou as obras de Glessner Lee por cerca de sete anos.

“Eu tentei trazer intimidade e emoção para a cena do crime. Eu quero que os espectadores se sintam como se eles estivessem morando nas miniaturas para que percam o senso de proporção e experimentem o grande no pequeno”, diz a fotógrafa em seu site.

A ideia de Glessner Lee tinha como objetivo treinar investigadores de Chicago e foi considerada revolucionária na época. Além de homicídios, as miniaturas também trazem cenas de suicídios e mortes acidentais.

Sem mais artigos