Em 2011, o motorista de ônibus Yasuo Takamatsu, 57 anos, de Onagawa (Japão), perdeu a mulher, Yuko, em razão do tsunami que atingiu o país naquele ano. Desde então, ele tem em mente a promessa que fez a si mesmo de resgatar, do mar, os restos mortais da amada. Para isso, Takamatsu tem realizado lições de mergulho, de acordo com o jornal Mainichi.

Yuko estava em seu escritório quando o terremoto de 9 graus atingiu o local. Ela escreveu um e-mail ao marido dizendo, “Você está ok? Eu quero ir para casa”. Foi a última mensagem que Takamatsu recebeu dela.

“Ela escreveu, ‘quero ir para casa’. Eu sei que ela se sentia assim. Eu prefiro procurar por ela eu mesmo a depender de outras pessoas”, afirmou o japonês. “Eu ainda não me acostumei a flutuar enquanto mergulho. Preciso melhorar para encontrar minha esposa”, disse.

Masayoshi Takahashi, seu instrutor, conduz buscas por desaparecidos pelo menos duas vezes por mês, ao lado de voluntários. Eles, ocasionalmente, encontram pertences e ossos.

Cerca de 2.636 pessoas ainda estão desaparecidas em razão do desastre. Outras 15.884 foram confirmadas mortas.

Sem mais artigos