O mais novo país a passar por um levante popular é o Iêmen, se juntando ao Egito, Tunísia e Líbano. Milhares de iemenitas tomaram as ruas de Sanaa nessa quinta (27) para tirar o presidente Ali Abdullah Saleh do poder, depois de 32 anos.

Várias praças da cidade foram tomadas de manhã por estudantes e demais opositores ao governo. Até a Universidade de Sanaa foi ocupada por manifestantes cantando slogans anti-governistas.

A massa pede reformas econômicas e o fim da corrupção. Os índices de pobreza do país, principalmente entre a população mais jovem, somadas à falta de liberdade política, serviram de combustível para os protestos.

Mas por lá as coisas não estão tão espontâneas como foi no Egito ou Tunísia. Grande parte das manifestações são organizadas por partidos de oposição. E não estão sozinhos, os partidos da plataforma governamental também foram às ruas em “contra-protestos”.

Aliado do ocidente, Saleh foi reeleito em 2006, mas seu parlamento tenta afrouxar as regras para o tempo de mandato. Muitos opositores acreditam que ele esteja tentando se manter no cargo para sempre. Seu filho, chefe da guarda presidencial, também é um potencreial sucessor.

Via BBC

Iêmen também entra na onda de revoluções do Oriente Médio

Sem mais artigos