Produtor musical e organizador da mostra “Viva Elis”.

VIVA ELIS!

Emilio: A gente quer saber o que é o projeto “Viva Elis”.
João: É um exposição que está passando pelo Brasil e agora está em São Paulo, foi pra Porto Alegre, vai pra BH, Recife. Graças ao prestígio da Elis, o pessoal pede mais.
Carioca: Vai passar mais vezes por São Paulo?
João: Tem que fazer volta né? Ficamos quase dois meses aqui e recebemos 100 mil pessoas.

ACERVO RARO

João: Na exposição estávamos falando sobre o DVD da Elis e descobrimos mais de 24h de especiais de TV dela aqui na TV brasileira e sobretudo nas de fora. Tá num processo de restauração de show na Suíça, Japão… é algo que vou fazer pro resto da minha vida agora.
Emilio: É incrível se você pegar TV européia e japonesa, eles mantém o arquivo. Agora aqui no Brasil…
Carioca: É um esculacho!
Emilio: Não é que é esculacho, é uma questão de grana.
Carioca: É grana! Quanto custava uma fita pra gravar na época? Custava uma bala!
João: O triste é saber que grandes jogadas do Pelé foram apagadas para economia, gravavam em cima.

MEIO MANDONA

Emilio: Ela se metia no arranjo, se metia em tudo…
João: É…
Emilio: Ela era meio mandona, enxerida!
Amanda: Enxerida?
Emilio: Antigamente você tinha os grandes intérpretes.
Amanda: Só coloca a voz…
Emilio: Não é isso, é cara tipo Frank Sinatra.
Carioca: Estilo…
João: Precisamos fazer um quadro no Pânico, sobre a auto-tunning. Coloca um cachorro pra cantar.
Emilio: E cantam muito bem!

Sem mais artigos