O lago Poyang, o maior de água doce na China, perdeu quase 90% de seu volume em consequência da seca que castiga a bacia do Yangtze, e que é a pior no meio século, informou nesta segunda-feira o jornal South China Morning Post.

Grande parte do leito do lago é atualmente uma planície de barro ou erva, o que coloca em uma crítica situação os habitantes dos arredores do lago, que dependem de sua água para regar seus cultivos, destacou o periódico.

Segundo a imprensa oficial, o lago tem atualmente 0,74 milhão de quilômetros cúbicos de volume, 87% menos do que o habitual ou inclusive menos, já que em épocas úmidas o lago pode ter até 25 milhões de quilômetros cúbicos de água.

O segundo maior lago do país, o Dongting (também na bacia do Yangtze) também está parcialmente seco, e sua área atual (cerca de 900 quilômetros quadrados) é menos da metade da superfície habitual, segundo especialistas da região afetada.

A seca afeta uma bacia na qual vivem 400 milhões de pessoas, quase um terço da população chinesa, e a situação é especialmente dramática nas províncias do curso médio e baixo (Anhui, Hunan, Jiangxi, Zhejiang e Jiangsu), onde as chuvas este ano foram entre 40% e 50% menores do que o normal.

De acordo com o Escritório Estatal de Controle de Inundações e Secas, a situação afeta diretamente 3,29 milhões de pessoas e 6,96 milhões de hectares de campos de cultivo, equivalentes a 5% das terras cultiváveis no país.

Por este motivo, o Centro Meteorológico Nacional declarou “alerta amarelo” por seca, já que nos próximos dias não estão previstas grandes precipitações na área afetada.

Maior lago de água doce da China está quase desaparecido devido à seca

Sem mais artigos