Um menino de 12 anos foi assassinado, afogado em água fervendo, depois de ver sua mãe ser estuprada e assassinada, e seu pai morto por três homens que invadiram sua casa em Joanesburgo, África do Sul.

 

 

Segundo a reportagem do jornal The Telegraph, o menino, um Sul-Africano de ascendência portuguesa, foi primeiro amordaçado e, em seguida, afogado, porque ele teria sido capaz de identificar os assassinos da sua família, de acordo com relatórios judiciais.

A criança tinha sido forçada a assistir como seu pai Tony Viana, 53 anos, foi amarrado e agredido com uma faca de caça, e sua mãe Geraldine ser estuprada e depois morta com um tiro. 

A polícia localizou os responsáveis por essa barbárie, Patrick Radebe, 24, jardineiro da família, Sipho Mbele, 21, filho da empregada doméstica, e Sphiwe Motaung, 20, foram presos após os três confessarem o crime.

Embora as taxas de criminalidade em geral estejam caindo na África do Sul, assaltos violentos ainda são muito comuns. Mas o nível de brutalidade revelada nesse caso, deixou em choque a população do país. 

Sem mais artigos