xblog_umbrella.jpg.pagespeed.ic.vmjx9VYO0B

Reprodução/vídeo

Uma cena incomum deixou tem deixado muita gente revoltada na web. Em Lousiana, nos EUA, uma mulher foi flagrada colocando uma criança na cabeça e a fazendo de ‘guarda-chuva‘ para se proteger de um temporal. Acredita-se que a criança é filha dela.

O vídeo viralizou nas redes sociais onde pessoas ficaram indignadas. “Ela se importa mais com o cabelo do que com a criança”, escreveu uma internauta. Outra se manifestou: “Estou pasmo com essa mulher! Ela está está usando uma criança para se proteger da chuva?”. Outro foi mais direto: “Isso merece um processo”.

Confira a cena abaixo:

Piores tragédias causadas por celulares

No dia de Natal de 2015, Joshua Burwell caiu do penhasco Sunset Cliffs, em San Diego. Ele estava tão colado em seu telefone que não percebeu que já havia passado a área segura do penhasco. Ele continuou caminhando até ele pisar ao longo da borda e caiu 18 metros e morreu no local.
Em fevereiro de 2016, um homem de 23 anos em Birmingham, Alabama, teve seu iPhone furtado. Depois de usar o aplicativo de rastreamento do telefone para localizá-lo, ele chegou até o ladrão. O homem, no entanto, o matou a tiros.
Em agosto de 2010, um homem de Missouri, de 19 anos, estava provocou um grande acidente em uma rodovia ao bater em um ônibus escolar, duas pessoas morreram e 38 outras pessoas ficaram gravemente feridas.
 Investigadores federais disseram que os registros do telefone celular do motorista revelaram que ele enviou mensagens de texto no momento do acidente.
Ma Ailun, uma mulher de 23 anos da China, morreu em 2013 ao ser eletrocutada. Ela apenas tentou responder a uma mensagem enquanto o celular estava carregado.
Em 2015, uma mulher em Zhongshan, Guangdong, na China, estava casualmente atravessando a rua olhando para o telefone e atravessou uma pista.
Mas ela foi atingida por um grande caminhão na pista oposta e morreu na hora.
Em um caso ocorrido em Illinois, em 2013, Roger Mirro contou a um de seus vizinhos que, acidentalmente, deixou cair seu telefone na calha do lixo do prédio. Ao tentar entrar no compactador de lixo, ele acabou perdendo a vida.
Wendy Rybolt de Bartonville, Illinois, teve sua casa incendiada e tentou recuperar o celular que estava lá dentro. Hospitalizada por inalação de fumaça, ela acabou não resistindo.
Em maio de 2015, Anna Ursu, uma garota de 18 anos de Bucareste, na Romênia, estava tirando selfies com uma amiga. Em busca de um ângulo inusitado, ela escalou um trem.
Um amigo de Ursu disse que as coisas iriam bem até ela agarrar um fio com uma tensão extremamente alta. Ursu ​​foi imediatamente eletrocutada. A tensão era tão poderosa que ela explodiu em chamas.
Em 2010, Gopal Gujjar da Índia estava trabalhando no campo, reunindo seu gado e conversando em seu telefone celular Nokia como já fazia muitas vezes antes, quando o telefone explodiu enquanto ele o segurava na orelha, matando-o. Outras fatalidades também foram causadas por telefones explosivos. Tais mortes foram relatadas na China e no Nepal.
 O caso mais dramático ocorreu em Irving, Texas, em 2015, Patricia Allen foi à piscina do complexo de apartamentos, juntamente com três de seus cinco filhos (9 anos, 10 e 11). Tragicamente, os três filhos se afogaram e morreram. Testemunhas declararam que Allen estava bem junto à piscina, mas ela estava olhando para o telefone.

Mulher usa criança como 'guarda-chuva' para se proteger de temporal

Sem mais artigos