O mundo vai alcançar no fim de outubro a marca de 7 bilhões de pessoas, número que representa conquistas e desafios e, principalmente, afetará as regiões mais pobres, advertiu nesta quarta-feira (26) em Londres o diretor-executivo do Fundo de População das Nações Unidas, Babatunde Osotimehin.

O documento “Estado da População Mundial 2011“, apresentado nesta quarta-feira na capital britânica, considera as tendências que definem o mundo e analisa alguns dos paradoxos propostos pelo aumento do número de habitantes apesar das mulheres terem cada vez menos filhos em relação aos anos 60.

LEIA MAIS: Maior família do mundo tem 181 membros morando na mesma casa

Para a elaboração do relatório, a ONU analisou as tendências de nove países: China, Egito, Etiópia, Finlândia, Índia, México, Moçambique, Nigéria e a ex-República Iugoslava da Macedônia e detectou que apesar dos avanços no combate a pobreza, a desigualdade social continua crescendo.

O marco dos 7 bilhões de pessoas no fim de outubro “representa um desafio, uma oportunidade e um chamado à ação”, alertou Osotimehin.

A crescente diferença entre ricos e pobres é outro grande desafio deste mundo superpovoado, assim como o fato de que ainda persistam as disparidades entre os países e dentro de um mesmo Estado.

As desigualdades quanto aos direitos e oportunidades de homens e mulheres é outro dos pontos sublinhados no relatório, que ressalta a importância de traçar um caminho de desenvolvimento para promover a igualdade.

Para 2050, a ONU prevê uma população mundial de 9,3 bilhões de pessoas e para o final do século mais de 10 bilhões.

Mundo terá 7 bilhões de pessoas no fim de outubro, diz ONU

Sem mais artigos