Um orangotango foi resgatado no meio de uma floresta em Borneo, na Indonésia, após precisar roer e arrancar o próprio braço para escapar de uma armadilha. O bichinho, que é órfão, não viu outra escapatória para salvar a própria vida, pois estava preso e sozinho, como o alpinista Aron Ralston, que gerou o filme “127 horas“.

 

Algum tempo depois, uma equipe de resgate internacional, que faz rondas pela floresta, o encontrou e retirou do meio da floresta para cuidar dos ferimentos. O primata passou por uma cirurgia de cinco horas para que a amputação do braço fosse feita de forma correta. 

Felizmente, tudo correu bem, e o orangotango, batizado de Pelangsi, está bem e poderá voltar ao seu habitat natural em breve, mesmo sem o braço. “Embora seja uma tragédia perder seu membro, não há nenhuma razão para que ele não retorne à vida selvagem e cuidar de si novamente”, disse Karmele Llano Sanchez, diretor do hospital veterinário International Animal Rescue Indonesia, ao “Daily Mail”. 

Segundo os veterinários, Pelangsi é um animal extremamente selvagem e não faria sentido deixa-lo em cativeiro por conta do membro amputado. A equipe contou aos jornais que o caso do orangotango é reflexo do que vem acontecendo na Indonésia, com o avanço dos homens nas florestas.

“A floresta virou uma área onde os animais selvagens e os humanos estão competindo por espaço e alimentos”, concluiu Alan Knight, chefe da instituição que protege os animais locais. 

Orangotango é obrigado a roer o próprio braço para escapar de armadilha na floresta

Sem mais artigos