Ela usava aquele aparelho freio de burro, óculos fundo de garrafa e vivia com um coque no cabelo. Você, claro, adorava dar uma zoada nela, não perdoava nada. Ela não podia abrir a boca que você já tinha uma brincadeira pronta. Isso sem falar nos chicletes no cabelo, puxões no sutiã, cadarços amarrados… Só que, agora, o patinho feio cresceu e virou a Cinderela. Você paga o maior pau pra garota e ela nem olha na sua cara.

Pior ainda quando ela olha na sua cara, mas para mostrar o que você perdeu. “Quanto eu tinha uns nove anos, estudei com uma garota feinha, feinha. Acho que ela ficou na mesma sala que eu até a oitava série e eu zoava dela todo ano. Ela mudou de escola e nós nos reencontramos na faculdade, na mesma sala. A garota está simplesmente maravilhosa. Toda vez que ela passa na minha frente, dá aquela jogada de cabelo e me olha de canto, como quem diz ‘seu babaca’. E eu fico com cara de bunda, fazer o quê…”, diz Jorge Fernandes, estudante de Rádio e TV.

Já pensou como seria o caso contrário? Não? Nós pensamos e fomos atrás. “Quando eu era menor, era magrinho, cheio de espinhas. Eu era muito zoado. Fiz um tratamento com antibiótico, malhei por algum tempo, tomando suplementos, e ajeitei meu cabelo, que era compridão. No fim das contas, acabei ficando com uma mina que era tipo a popularzinha do colégio e nem olhava na minha cara. Só que elas são mais orgulhosas. Se fosse uma mulher no meu lugar, nunca ficaria com quem zoou dela. Bom, deu no que deu e estamos juntos há dois anos”, afirma Luis Gonzales, 23 anos, vendedor.

Por isso, pense duas vezes antes de zoar aquela feinha que senta na primeira cadeira da sala e fica sempre sozinha no intervalo. Pode ser que ela seja o amor da sua vida daqui alguns anos, mas nem olhe na sua cara. Agora, se você for o patinho feio, não deixe que as pessoas que te atormentam sejam motivo para você querer se fechar. Saiba usar isso como combustível para se cuidar e ser o melhor possível. Acredite em você!

Sem mais artigos