O congressista nova-iorquino Anthony Weiner renunciou nesta quinta-feira ao seu cargo parlamentar na Câmara de Representantes dos Estados Unidos após se envolver em um escândalo sexual pela divulgação de mensagens e fotos inapropriadas no microblog Twitter.

“Hoje anuncio minha renúncia como representante”, disse Weiner, num pronunciamento em entrevista coletiva em seu gabinete na cidade de Nova York.

“Primeiro quero pedir perdão por todos os erros pessoais que cometi e pela vergonha que fiz meus vizinhos e eleitores passarem, mas especialmente a minha esposa Huma”, assinalou Weiner, que após sua declaração não respondeu perguntas à imprensa.

Weiner, de 46 anos, pôs assim um fim a uma carreira política que começou há quase 20 anos quando foi eleito para o conselho municipal de Nova York (1992-1998), embora desde 1985 tinha trabalhado como parte do gabinete do então representante e atual senador Chuck Schumer.

O político nova-iorquino foi eleito pela primeira vez para a Câmara baixa americana no pleito de novembro de 1998 e tinha enfrentado um promissor futuro no qual se perfilava como o candidato democrata à Prefeitura de Nova York, um posto ao que já aspirou sem sucesso em 2005.

Após a decisão do já ex-congressista, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, terá que convocar uma eleição especial para ocupar esse posto.

Weiner, judeu e casado há um ano com Huma Abedin, muçulmana e assistente da secretária de Estado de EUA, Hillary Clinton, protagoniza o último escândalo sexual em que um político americano se viu envolvido, depois que se soubesse que o ex-governador da Califórnia, o ator Arnold Schwarzenegger, teve um filho de uma relação fora do casamento com uma empregada doméstica.

Sem mais artigos