A polícia iraniana fechou lojas de brinquedos que vendiam bonecas Barbie. A ação é uma ofensiva contra a influência da cultura ocidental no país

A proibição da venda das bonecas foi imposta em meados dos anos 1990, mas não obteve sucesso. Em 2002 as autoridades lançaram uma campanha para confiscar o brinquedo, denunciando o que chamavam e características não-islâmicas na mocinha de plástico. 

 

Neste mesmo ano, o Irã lançou sua própria versão concorrente, as gêmeas Dara e Sara, que foram projetadas para “promover os valores tradicionais do país”, com roupas típicas e acessórios adequados. No entanto, a boneca não conseguiu derrubar as vendas da Barbie.

Segundo os defensores da cultura islâmica, a Barbie influencia as mulheres a usarem maquiagens e roupas reveladoras, já que a boneca é vendida em trajes de banho, minissaias e cabelos coloridos. 

Na cultura islâmica, as mulheres devem usar lenços de cabeça em público e homens e mulheres não têm permissão para nadarem juntos na praia, por exemplo. 

Apesar da proibição do culto ao ocidente, livros, filmes, canais de televisão por satélite, música, corte de cabelo e a moda despertam grande interesse dos jovens orientais. 

Policiais iranianos confiscam Barbies das lojas de brinquedos

Sem mais artigos