Reflexo da crise econômica, o neologismo “entroikado” foi eleito pelos internautas portugueses como a palavra do ano de 2012 no país, com 32% dos votos, em uma eleição proposta por um grupo editorial local.

“Obrigado a viver sob as condições impostas pela ‘troika'” é a principal definição da palavra. A troika é uma equipe de membros da Comissão Europeia, Banco Central Europeia (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) responsável por propor as duras condições em troca do resgate financeiro de Portugal, vigente desde maio de 2011.

Em uma segunda definição, a palavra é descrita como um adjetivo que em seu uso coloquial serve para descrever algo “que está em uma situação difícil; enrolado, enfastiado”.

A eleição foi feita pela Porto Editora, que premia a palavra vencedora com a inclusão de sua definição na versão digital de seu dicionário.

Em segundo lugar, ficou a palavra “desemprego”, que atingiu em Portugal 16% em 2012. Em terceiro, “solidariedade”. As dez palavras incluídas na eleição pelos linguistas da editora foram escolhidas por “critérios de frequência de uso e de relevância, especialmente nos meios de comunicação e nas redes sociais”, explicaram os responsáveis pela votação.

Outras palavras mencionadas foram bóson (referência ao Bóson de Higgs), “cortes” e “imposto”, estas duas últimas também relacionadas à crise econômica e às fortes medidas de ajuste aplicadas pelo governo para cumprir com as condições para receber o resgate de 78 bilhões de euros.

Desde 2009, quando começou a ser feita a consulta, as palavras vencedoras foram “esmiuçar”, “vuvuzela” (instrumento popularizado no mundial de 2010 da África do Sul) e “austeridade”. 

Sem mais artigos