Logo que vocês se conheceram já ficaram. No começo se viam quase todo dia, até que os encontros começaram a espaçar… Agora, no fim-de-semana sempre tem um dia em que ele está ocupado. Às vezes não te atende e depois vem com alguma desculpa furada do tipo “esqueci o celular em casa, linda” (o linda sempre aparece no final de suas sentenças). Reconhece a situação?

Se sim, provalemente vocês já estão ficando há meses e nada da relação evoluir. O cara não termina, mas também não dá um passo a frente. O que fazer quando você sente que estão te enrolando?

Primeiro é necessário perceber por quê ele está nesse chove mas não molha e em qual perfil ele se encaixa.

– O cara que não dá a mínima e sai com várias ao mesmo tempo.
– O cara que curte mas está confortável na situação (afinal pode sair para a pegada de vez em quando).
– O que é bobo, que não sabe como agir e vai deixando rolar sem tomar nenhuma atitude.

O primeiro caso é o mais complicado. Dar uma sumida costuma funcionar. Ele sente falta e corre atrás. Aí você mostra que cansou e vê no que dá, mas sem muitas esperanças, afinal o baladeiro de plantão costuma ser apegado à sua vida boêmia.

Já com o segundo, a sumida tem que ser mais sutil. O jeito é, se conseguir, ser fria e tratar o cara do jeito que ele te trata pra ver se ele gosta. Não te atendeu? Não atenda também e não esqueça de ligar vários dias depois e soltar alguma boa desculpa dissimulada como “nossa lindo, foi mal, o celular estava no silencioso e eu não vi”. Se der certo, o cara vai se ligar que está perdendo e tomar uma atitude.

O número três é o mais fácil de lidar. Só é preciso um empurrãozinho. É aquele que pede indiretas, ás vezes até dos outros, como a famosa pergunta constrangedora “vocês estão namorando?”. Se não funcionar, parta para a boa e velha encostada na parde (com um toque da sutileza feminina para não assustar o gato).

“Eu fiquei durante 6 meses com um cara que era praticamente meu namorado, só faltava o título. Conhecia os pais deles e ele os meus, já até tínhamos chegado na fase do ‘te amo’! Mas o assunto namoro era proibido. Até que um dia perdi a paciência e joguei a real, coloquei ele contra a parede, tinha chegado o momento ‘ou vai ou racha?’. Ele me veio com a clássica desculpa ‘Eu te amo, mas não estou pronto para namorar, acho que sou muito jovem para um compromisso sério’. Fiquei bem triste, mas estava aliviada, afinal tinha feito a minha parte. E não é que três dias depois o garoto me liga chorando arrependido? É só sentir que perdeu que o cara volta atrás…” Conta Juliana Barros, 21

Vale lembrar que cada um tem um jeito e que, em alguns casos, o que falta é sinceridade. Jogar a real é arriscado, mas às vezes pode acabar sendo mais fácil e dar mais certo.

Sem mais artigos