O trem de alta velocidade entre Pequim e Xangai estará aberto ao público a partir desta sexta-feira e conectará as duas principais cidades da China em cinco horas, metade do tempo que demorava até a construção do novo percurso.

Após mais de um mês de testes que desaconselharam o rendimento do trem, por motivos de segurança e economia de custos, os primeiros passageiros circularão desde ambos extremos.

Segundo um representante do Ministério de Ferrovias na viagem de apresentação para imprensa, a conexão entre “as duas cidades mais importantes da China por meio da alta velocidade é um grande passo na modernização do país”.

Além disso, declarou que o objetivo do Executivo chinês “é conectar a China” e marcou a união das duas grandes cidades com 24 estações ao longo dos 1.318 quilômetros que as separam, como o primeiro passo.

As estações ficarão nas províncias de Tianjin, Hebei, Shandong, Anhui e Jiangsu e conectarão diferentes zonas de grande importância econômica até a zona mais desenvolvida e de maior ebulição econômica e atração de investimento estrangeiro direto do país.

Segundo o Ministério de Ferrovias, em uma nota distribuída aos meios de comunicação, o trem e seu percurso “cumprem escrupulosamente com todas as medidas de segurança e respeito ao meio ambiente necessárias”, apesar das polêmicas surgidas.

Os preços variam segundo a classe e a velocidade do trem. Assim, no de alta velocidade (300 km/h) haverá bilhetes de segunda classe por 555 iuanes (R$ 134), primeira classe por 935 iuanes (R$ 225 dólares) e “business” a 1.750 iuanes (R$ 423).

Sem mais artigos