Uma vala comum com 1.270 corpos foi descoberta neste domingo em Trípoli pelos insurgentes, anunciaram porta-vozes da oposição.

A descoberta somente foi possível porque um simpatizante do regime de Muammar Kadafi detido horas antes apontou o local exato. A fossa comum fica perto da prisão de d’Abou Salim.

Os corpos encontrados na fossa poderiam pertencer aos presos da prisão de Abu Salim massacrados pelo regime de Muammar Kadafi em 1996.

O chefe do Conselho militar de Trípoli, Abdul Hakim Belhadj, que esteve detido durante anos na prisão de Abu Salim, afirmou que as forças rebeldes estiveram recopilando informação sobre o local da vala comum, mas que até existem incertezas a respeito.

A penitenciária que fica na capital líbia tem uma péssima reputação.

Os adversários ao regime foram detidos durante os anos do Governo de Kadafi e garantiram que foram torturados sistematicamente por diferentes técnicas.

Esta prisão abrigou também presos acusados de pertencer ao Grupo Islâmico Líbio de Combate (GICL) que aparentemente fomentaram uma tentativa de rebelião da população carcerária que terminou o massacre de 1996, um dos maiores massacres da história do país.

Mais de 1,2 mil pessoas foram assassinadas e este fato foi silenciado pelas autoridades.

No final de agosto, quando os rebeldes alcançaram o controle de Trípoli os habitantes próximos a este complexo penitenciário abriram as portas e liberaram de centenas de detidos.

Sem mais artigos