Quando seus pais construíram um navio pirata em seu quintal, o pequeno Joseph Bailey, de apenas quatro anos, deu pulos de felicidade. Feito com madeira reciclada, o navio tornou-se seu bem mais precioso, motivo de orgulho e alegria, até que seus vizinhos ficaram sabendo.

Não deu outra. Um dos vizinhos reclamou, disse que Joseph estava invadindo sua privacidade, que poderia espioná-lo por cima da cerca.

A família providenciou uma cerca viva feita de bambus, para tentar resolver o problema de falta de privacidade, mas não teve jeito. O conselho de Rushmoor Borough ordenou a mãe e o pai Paola e Marcus a demolirem o brinquedo.

No último sábado (6), Marcus Bailey, de 46 anos, que é diretor em uma empresa, falou sobre o assunto: “Só de pensar que terei que desmontar o navio de Joseph fico em frangalhos. Ele ama aquilo, vai ser muito difícil”, disse ao jornal Daily Mail.

O casal é de Farnborough, Hampshire (Inglaterra), e começou a construir o brinquedo em maio deste ano.

“Recebemos uma reclamação de um vizinho e tivemos que investigar a denúncia de falta de privacidade”, confirmou um porta-voz do conselho de Rushmoor Borough.

“O final do jardim, onde o navio foi construído, faz divisa com outras cinco casas. Um deles reclamou, achou que Joseph poderia usar o brinquedo para espioná-lo”, contou Marcus à publicação.

As autoridades deram à família a opção de diminuir a altura do brinquedo. O custo da reforma seria de cerca de R$ 750, e o navio teria que passar por uma inspeção que poderia não ter o final esperado.

“É ridículo ter que pagar por essa reforma e ainda correr o risco de o conselho não aprovar as mudanças. Nós realmente não sabemos como dizer a Joseph que seu navio precisa ser destruído. Vamos fazer a mudança, e se não for aprovado, vamos entrar com um recurso”, afirmou a mãe Paola Bailey.

Sem mais artigos