Em entrevista à edição de maio da revista Marie Claire, Claudia Raia, que aos 46 anos já possui 30 de carreira. Mesmo sendo considerada um símbolo sexual a atriz revelou que atualmente se acha apenas interessante e que quando mais jovem se achava feia.

“Quando eu era jovenzinha, ouvia as pessoas dizendo que a minha irmã mais velha, a Olenka (52 anos), era linda. Eu era chamada de talentosa (risos). Eu era feia mesmo. Na adolescência, era toda desengonçada. Hoje em dia, acho que meu conjunto funciona bem. Se eu fosse um homem e me visse na rua, diria: “Que mulher interessante!”. Mas linda, definitivamente, não sou. Fiquei mais confiante quando fiz o espetáculo “Chorus Line” (1984) e passei a receber a aprovação das pessoas”, contou.

A atriz, que é famosa por seu belo par de pernas, desmentiu tê-las assegurado em 1 milhão de dólares.

“Eu adoraria (que as pernas fossem  asseguradas em 1 milhão de dólares). Vinte anos atrás, uma empresa de seguros que me patrocinava no teatro fez uma apólice nesse valor, como marketing. O contrato durou um ano, mas a história ficou no inconsciente coletivo. Mas minhas pernas ainda batem um bolão”, brincou.

Depois de separar do ator Edson Celulari, com quem ficou casada por 17 anos, e de recomeçar a vida amorosa ao lado do namorado Jarbas Homem de Mello, Claudia diz ainda acreditar em casamento.

“Acredito (em casamento). No meu primeiro casamento, com Alexandre Frota, nós éramos jovens demais, não sabíamos lidar com o ciúme (tempos depois da separação o ator declarou que era mulherengo e consumia drogas). O segundo como Edson foi maravilhoso. Continuo romântica. Não tenho traumas”.

No ar como a vilã Lívia Marini da novela “Salve Jorge”, a atriz falou sobre as críticas sobre sua atuação na trama.“Foi a primeira vez que fiz uma mulher tão gélida, cortadora de pescoço. No começo as pessoas diziam:

“A Cláudia está dura, engessada”. Mas foi assim que a autora a construiu. Muitas pessoas acharam aquela cena de assassinato com uma seringa inverossimil, mas ela foi baseada num fato real. A Lívia Marini se sente acima do bem e do mal”.

Sobre envelhecer, a atriz diz admirar Jane Fonda e Christiane Tornloni e declarou ter medo de botox:

“Minha pele é herança genética. Minha mãe, hoje com 90 anos, ainda tem a pele lisa. Eu morro de medo é de ficar com cara de meia esticada, sem conseguir mexer um músculo, por isso não faço preenchimento nem Botox. Para dar uma levantada no rosto, fiz aplicações com um aparelho chamado Ulthera que reduz a flacidez. Eu gostaria de envelhecer lindamente, como a Christiane Torloni. E quase morri ao ver a Jane Fonda no Oscar. Você enxerga a idade dela, mas percebe que ela se trata muito bem”, contou.

"Me acho interessante, sei que não sou linda", diz Claudia Raia em entrevista

Sem mais artigos