Uma condutora de trem, uma parteira e uma assistente de mercado são as faces que estampam a edição de Julho da Vogue britânia. É o “novo normal” revelando suas heroínas, que apesar da pandemia do coronavírus, arriscam suas vidas diariamente ao continuarem trabalhando em serviços essenciais.

A capa foi uma resposta à grave crise de saúde, a um capítulo da história que acabou levando a sociedade a prestar atenção em pessoas que normalmente passam despercebidas, como explicou o editor-chefe Edward Enninful em seu editorial.

A Vogue, ele ressalta, pode não ser uma revista que foca “nas minúcias da vida cotidiana”, ela celebra a moda, momentos de escapismo, empoderamento, mas neste momento requer algo “extra especial também: um momento de agradecimento”.

As modelos desta edição são Narguis Horsford, condutora de trem, Rachel Millar, parteira, e Anisa Omar, funcionária de mercado. Três mulheres que, segundo Enninful, “representam milhões de pessoas no Reino Unido, que no pico da pandemia, em meio a pequenos e grandes riscos, colocaram seus uniformes e roupas de trabalho e foram ajudar as pessoas”.

Além dos perfis deste trio, a edição de Julho contará com mais 20 páginas destacando outros profissionais que atuam durante a pandemia, como médicos, carteiros, funcionários de mercados, enfermeiros, faxineiros, professores, condutores de ambulância, epidemiologistas e cuidadores. Todos foram fotografados por Jamie Hawkesworth.

Vogue Britânica edição de Julho 2020

Anisa Omar - assistente de mercado. Está no segundo ano da faculdade de gestão de negócios. A pandemia a fez se sentir um pouco ansiosa, mas em sua visão, colocar-se em risco vale a pena porque está ajudando outras pessoas. "Quando o lockdown foi anunciado, senti que precisa ir e fazer meu trabalho". Créditos: Divulgação/Jamie Hawkesworth

Trabalhadoras essenciais estampam capa da Vogue britânica na edição de Julho

Sem mais artigos
Sair da versão mobile