O cantor e esquisito de plantão Marilyn Manson está processando uma mulher por tê-lo  acusado de ser pró-nazismo. Segundo a Billbord, Yolanda Tharpe disse ter tido um relacionamento com Marilyn, mas foi dispensada por que ele não “quer se visto com uma afro-americana como ela”.

Yolanda Tharpe é musicista e diretora de filmes ocultistas independentes. Ela usa o pseudônimo Seraphim Ward e está sendo processada na corte de Los Angeles por difamação, publicidade indevida , uso do nome de Manson para vantagem comercial e por provocar “estresse emocional” no astro das trevas.

Manson, cujo nome verdadeiro é Brian Warner, jura que nunca viu Yolanda. Ele espera conseguir US$ 50 mil como compensação.

Sem mais artigos