Pabllo Vittar

Divulgação Pabllo Vittar

Pabllo Vittar é um fenômeno. Quando o álbum Corpo Sensual saiu em janeiro, ela era uma artista underground em busca de lugar ao sol. Hoje, após ascensão meteórica, ela deixou a condição de aposta para fazer parceria com o produtor hitmaker Diplo e Anitta, ganhar páginas de publicações internacionais como a Billboard, roubar a cena no Rock in Rio e assinar contrato com a Sony Music. Ou seja, o voo mainstream da drag queen que tomou 2017 de assalto está só começando.

Aos 23 anos e trafegando por gêneros musicais distintos, como pop, reggaeton, a maranhense enfileirou hits que você certamente ouviu, exemplo de K.O., Nêga e Corpo Sensual.

O Virgula entrevistou Pabllo com exclusividade. Veja como foi:

Sua vida deve ter mudado bastante, como faz pra manter os pés no chão?
Pabllo Vittar – A rotina mudou bastante sim, mana, nem tenho como negar. Mas eu sou muito comprometida com o meu trabalho então, acabo encarando como um outro trabalho qualquer: com bastante responsabilidade e muito amor envolvido.

Você é um espelho para muitos jovens gays que sofrem violências, às vezes dentro de casa. Como espera ser um agente de mudança?
Pabllo – Eu me sinto muito honrada de ser considerada esse espelho para os jovens gays e fico feliz de poder de estar na luta contra a homofobia e o preconceito, de coração. Acho que a melhor forma de se tornar esse agente de mudança é reafirmando quem eu sou. Mas, apesar da mudança estar acontecendo, ainda temos um longo caminho até que a gente consiga ser totalmente respeitado na sociedade.

O que espera conquistar com seu próximo disco?
Pabllo – Eu espero conquistar cada vez mais um público de estilos musicais bem ecléticos: gente do sertanejo, pop, reggaeton. Ah, e também quero que meus fãs conheçam cada vez mais quem eu sou através das minhas músicas. Vai ser babado, prometo.

Que qualidades uma pessoa precisa ter pra te conquistar?
Pabllo – Moreno, alto, bonito e sensual… (risos) brincadeira, mana! Não tenho um estilo muito definido assim, tem que ter um papo bom e rolar química, sabe?

Quem são seus heróis e heroínas musicais?
Pabllo – Eu sempre tive um contato muito grande com as divas do pop internacional e levo elas como inspiração para muita coisa, sabe? Tipo a Beyoncé, Madonna, Rihanna… que sonho.

Sem mais artigos