Bono Vox, vocalista do U2 e ativista há 25 anos, disse em entrevista ao jornal The Guardian que foi perseguido recentemente por anarquistas na Alemanha e também foi vaiado por jovens empresários na Tanzânia. 

Depois de explicar que “às vezes os empresários africanos querem me matar porque digo que a saúde pública é mais prioridade que a construção de estradas”, Bono afirmou: “fui vaiado em Arusha, na Tanzânia, durante uma conferência, por empresários jovens”, acrescentando que “na mesma semana fui perseguido na rua, na Alemanha, por um grupo de anarquistas”.

Em defesa de seu trabalho, Bono explicou: “portanto, fazendo alguma coisa boa! Estou irritando os capitalistas em África e os anti-capitalistas na Europa. A questão é que eu não sou um idealista, nunca fui, sou bastante pragmático no que diz respeito a encontrar soluções”.

 

Sem mais artigos