FO-1H4NF56QN1W11

(Crédito: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool)

Assim como Neymar, MC Guimê é a cara do Brasil: moleque descolado, tatuado, que adora uma night e ao mesmo tempo leva a sério o que faz, e se tratando de funk ostentação, o ritmo das favelas que embala o país todo, ele só tem feito gol de placa. Sua última jogada de mestre foi ao lado da cantora paraense Gaby Amarantos, que juntos, gravaram o hino do time de futebol Red Bull Brasil (que pode ser visto aqui).

“Eu nunca tinha feito um hino, apenas trabalhado com a música funk e underground. Fiquei muito feliz com o convite e por saber que o meu trabalho está sendo respeitado ao ponto de se envolver com o futebol, um tema nacional”, contou Guimê ao Virgula Música. “A gente compôs juntos e criamos o lance de fazer uma campanha na internet para os fãs e torcedores interagirem e ajudarem a gente nessa. Então, juntamos as sugestões dos internautas com a nossa composição e montamos o hino”.

Dono dos hits Plaquê de 100, Na Pista Eu Arraso e País do Futebol, o rapaz de Osasco, e de apenas 22 anos, não respira só o funk e pretende atacar na EDM também. Ele foi visto na edição brasileira do Tomorrowland Brasil de bate-papo com o DJ Alok (umas das atrações nacionais do evento) e pelo que disse pra gente, vem parceria das boas por aí: “Desde moleque eu sempre gostei da música eletrônica. Até fazia umas festas contratando uns DJs. Sempre tive esse envolvimento com o gênero. No Tomorrowland foi quando eu conheci o Alok e já rolou a ideia de fazermos uma parceria. Fé em Deus que no meu primeiro disco a gente vai fazer um lance, misturar o meu som com o som top dele.”.

(Antes da entrevista, o Portal Virgula trombou com os dois no fest de Itú e já estava farejando essa combinação entre eles. Acertamos?)

11174993_10152904043183214_6208680412128605166_n

Alok, Claudia Assef (Portal Vírgula) e MC Guimê no Tomorrowland Brasil

Aliás, encontrar Guimê em um evento em que ele não é atração está ficando cada vez mais raro, já que sua agenda está transbordando de shows. “Hoje é mais difícil eu ir pra uma balada (ou festival), porque quando queremos ir pra curtir temos que planejar antes. O meu produtor precisa ligar lá para reservar as entradas, então, tem todo esse lance de logística antes. Mas, sempre que dá eu vou mesmo, gosto de curtir o som e de tomar um negócio. É o meu estilo de vida”, conta o funkeiro ostentação, mas também revela um lado mais gente como a gente: “Nos meus dias de folga eu gosto mesmo é de ficar com a família e fazer um churrasco com os amigos, aquela galera que você não encontra nos ambientes de shows e estrada. É um lance de aproveitar esse tempo para procurar aquela paz, sabe? A rotina que eu nunca deixei de ter”.

Vai segurando o fera…..

MC Guimê e Valesca Popozuda em SP

 

De olho na EDM: MC Guimê vai lançar música com fenômeno Alok. Entrevistamos o ferinha de Osasco

Sem mais artigos