O duo eletrônico Mixhell é o convidado da próxima edição da festa infantil Disco Baby, que acontece nesta sexta-feira (12), em São Paulo. Indicada para bebês e crianças de 5 meses a 10 anos, a Disco Baby já convocou gente do calibre do DJ Marky, Rica Amaral, Camilo Rocha e Patife para fazer os pequenos mandarem ver na pista de dança.

Na edição especial de Dia das Crianças, a dupla formada por Iggor Cavalera (ex-Sepultura) e sua mulher, Laima Leiton, promete animar a data mais especial do ano para os baixinhos com muita música boa e diversão. Além do casal, vai rolar a estreia do DJ Caio Augusto, de apenas 9 anos!

Os pais e responsáveis – ninguém entra na festa sem uma criança a tira-colo – também são super bem-vindos nas duas pistas de dança da festa (uma para as crianças maiores, outra exclusiva para bebês). Além de dança, a festa também tem show circense, brincadeiras e comidinhas, tudo com supervisão pediátrica.

Conversamos com o Mixhell sobre Disco Baby, educação musical, crianças e outras cositas na entrevista abaixo:

Qual a expectativa de tocar pra criançada na Disco Baby?!
Esperamos que seja bem divertido. É sempre especial poder trabalhar e ter a família e amigos por perto. Achamos que a Disco Baby será o lugar perfeito para isso.

Quantos filhos vocês têm?! Como é a educação musical deles?
Temos 5 filhots, entre 6 e 16 anos. Todos têm uma relacao muito especial e diferente com música. A nossa filha mais velha, a Joanna, gosta de black metal, musica celta, da Noruega, completamente obscura. Ja a Raissa, do meio, sabe tudo o que tá rolando na rádio, gosta de pop, danca hip hop. O Pedro, mais velho dos meninos, vê a musica como matemática, gosta de música eletrônica programada, cabeçuda. Os dois pequenos têm uma banda que chama Explosions in Hell, ensaiam as performances e compõem músicas próprias. É muito legal, cada um é de um jeito, tocam guitarra, teclado, bateria, cantam e dançam. Não forcamos nada, é completamente natural.

Qual é a importância da música na criação dos filhos de vocês?!
Como disse acima, é natural, orgânico. Mas, além disso, é trabalho de verdade, é o meio de sobrevivência da mãe, do pai, do tio, é o ganha-pão da família. Acho que nesse sentido para eles é diferente do que para outras criancas que têm os pais em empregos mais convencionais. Eles também aprendem que nao é só glamour, é trabalho suado.

Vocês têm preocupação com o nível de volume a que eles são expostos? Quando vão a shows, usam protetores de ouvido?Sim. Desde pequenos todos têm um fone de proteção que sela total. Engraçado que quando o Antonio, o menor, tinha 1 ano e 3 meses ele foi a uma turnê de metal por dois meses com o pai e o tio. Todo dia que ele subia ao palco com o fone, com o som super alto, ele caía no sono profundo… de tanto que estava protegido. Agora, é inevitavel que os mais velhos ja não queiram usar proteção… nós também éramos assim e não dá pra cobrar…

Como vai ser o set?! Vão tocar música infantil no meio?!
Tocar para criança nao é facil, é como tocar para “pessoas”. Nem todos têm os mesmos gostos, cada faixa etária é interessada num tipo de som. Então o que fizemos foi uma super pesquisa, é claro, consultando os nossos 5 filhos e filhos de amigos. O engracado é que eles pedem desde o hit da internet até Black Sabbath. Estamos fazendo um apanhado de tudo isso e misturando com algumas músicas que gostamos.

Serviço Disco Baby:

Quando: 12 de outubro, das 15h às 19h.
Onde: Espaço Offset (Rua Ferreira de Araújo, 589, Pinheiros)
Quanto: Crianças de 0 a 2 anos: 1 lata de leite em pó integral ou R$10; crianças a partir dos 3 anos (R$15); adultos (R$ 35); babás e terceira idade (R$20).

PROMOÇÃO: Adultos com 2 crianças (+ de 3 anos) ou mais têm direito a 10% de desconto no valor total dos ingressos

Mais informações: http://festadiscobaby.com.br 

Sem mais artigos