Gilberto Gil já escolheu a data do lançamento do seu álbum ‘Kaya N’Gan Daya’. Previsto para sair em maio, o cantor escolheu o Dia da Abolição dos Escravos como oficial. “A data tem tudo a ver. Apesar de ser comemorada no Brasil, a luta do negro, na verdade, é uma só em todo o mundo. E isso o Marley soube traduzir muito bem em suas músicas”, declarou Gil a Reuters.

O CD é um especial feito por Gil na Jamaica, onde o músico recria clássicos de Bob Marley.

Há quem afirme que os dois cantores tem muita coisa em comum: negros, amantes da música, do futebol e de forte crenças religiosas. Músicos que fazem de suas canções instrumento de transformação e consciência.

Em 1977 Gil lançou sua primeira “versão de Bob”, “No Woman Cry”, um dos seus maiores sucessos. Desta vez, a escolha de um especial deu a Gil a oportunidade de gravar vários singles do músico. Existem no disco três versões das quais ‘Kaya N’Gan Daya’, para ‘Kaya’, que dá o título ao projeto, ‘Lick Samba’, ‘Three Little Birds’, ‘Positive Vibration’ e ‘One Drop’ gravadas com as maravilhosas I Threes (Rita Marley, Marcia Griffiths e Judy Mowatt, as vocalistas que cantavam com Marley e The Wailers).

‘Could You Be Loved’ ganhou participação especial da dupla jamaicana Sly Dunbar (na bateria) e Robbie Shakespeare (no baixo). O lado brasileiro do álbum ficou por conta dos Paralamas do Sucesso, que gravaram a nova versão de ‘Não Chore Mais’ e o clássico ‘Then Belly Full’.

A versão em DVD trará a ida do cantor a Jamaica, em uma espécie de documentário com os melhores momentos da viagem, bate-papos com nomes do reggae e os bastidores da gravação. Além do show Gil no ATL Hall, em 22 de dezembro, onde foram feitas as gravações para o CD.

A produção musical é assinada por Gilberto Gil e Tom Capone e o DVD foi produzido pela Conspiração Filmes, com direção de Lula Buarque de Holanda.

“Fico feliz de poder homenagear um amigo”, afirmou Gil. “Além disso, o trabalho feito com carinho fica muito melhor. Fui à Jamaica algumas vezes por conta desse trabalho e tenho certeza que o CD vai ter grande repercussão no Brasil.”

“Na Bahia ele já é sucesso certo por conta da interação que temos com as ilhas caribenhas e, principalmente, com o reggae de Marley”, acrescentou o compositor.

Sem mais artigos