Gusttavo Lima deu um grande susto em seus fãs quando afirmou, em março deste ano, após um show no interior de São Paulo, que estava decidido a abandonar sua carreira musical. Na época, o sertanejo justificou que a rotina na estrada era massacrante e a distância da família o deixava maluco.

Oito meses depois, pouca coisa mudou: “continuo do mesma maneira, muito cansado. Não cansado de cantar, mas de viajar”, afirmou Gusttavo em entrevista ao Portal Virgula, antes de subir ao palco no Villa Mix Festival, neste sábado (05), em SP.

“Todo mundo diz que vida de artista é fácil, mas ninguém sabe realmente o quanto é cansativo”, explica o cantor. Sobre o retorno financeiro de seu trabalho, o mineiro garante “que não vale de nada se você não puder usufruir”. “Do que me adianta eu ter uma casa muito boa e não poder aproveitá-la? Do que me adianta ter um carrão se eu não posso dirigir? É tudo muito relativo!”

Para provar aos amigos, que ainda vivem na cidade de Presidente Olegário, interior de Minas Gerais, o quão penoso é o seu cotidiano, Gusttavo convidou alguns companheiros da época do colégio para acompanhar sua turnê. “Em seis dias visitamos nove cidades. Não conhecemos nada além do aeroporto, do hotel e do local do show. Antes de completar uma semana, eles me pediram pra voltar para casa”, conta.

O remédio para a insatisfação do cantor foi diminuir o ritmo dos shows: “Pedi para diminuir o ritmo. Eu fazia 25 shows por mês, agora faço no máximo 20. Sempre tenho três dias livres na semana. Vou para a minha fazenda, como bem, durmo bem e relaxo ao lado da minha família. A solidão na estrada é insuportáve”.  

Mas mesmo com nova carga de trabalho, Gusttavo não conseguiu comparecer ao velório de seu tio, que faleceu vítima de câncer, há uma semana. “Eu fiz de tudo para que ele recebesse a assistência necessária, mas não pude ir ao seu velório. Ele foi uma pessoa fundamental na minha vida, me ensinou muitas coisas, mas não consegui me despedir dele. Nenhum dinheiro no mundo pode pagar isso”, desabafa.

Sem mais artigos