Nesta quarta-feira (28), Hayley Williams tocou em antigas feridas do Paramore: “há uma razão para terem sobrado apenas três pessoas no Paramore”, escreveu a vocalista no Twitter, referindo-se à partida definitiva de dois membros: Josh Farro e Jeremy Davis. “Surpresa, haters, não é por minha causa”, completou.

O desabafo foi interpretado como uma indireta a Farro, guitarrista que deixou a banda em 2010, após um print com um comentário homofóbico, que comparava a homossexualidade com a pedofilia, ser atribuído a ele.

O material foi compartilhado por uma fã da banda, que escreveu: “Josh Farro é um homofóbico. Pare de apoiá-lo e ter um pingo de empatia com ele. Obrigada. Imaginem comparar um gay com um pedófilo…”

No print vazado pela internauta, o sobrenome de Josh aparece ocultado e ele teria escrito o seguinte comentário: “‘nós deveríamos aceitar que a pedofilia é uma preferência sexual’ – diz a primeira pessoa. Não, não deveríamos. Não é uma preferência, é uma perversão, assim como a homossexualidade. ‘Estamos falando em preferência [sic] sexual, algo que não podemos mudar’ – diz a segunda pessoa. Ou seja, aceitar a pedofilia como algo normal. Isso é uma tática sutil para fazer lavagem cerebral nas pessoas para que entrem em um estado de tolerância. Depois de tolerância para aceitação. Aceitação para apoio. Não.”

O músico não se pronunciou sobre o assunto, e nem seu irmão, Zac Farro, que ainda atua como baterista do Paramore.

Hayley não citou nenhum nome diretamente, mas finalizou seu tweet afirmando que o banda “não tolera visões religiosas, políticas, dogmas que deixem nossos amigos, fãs e familiares LGBTQ+ se sentindo abandonados e sem esperança”.

“E você sabe, se isso não combina com você, bom, sinta-se livre para ir aonde foram todos os ex-membros do Paramore: qualquer lugar, exceto o Paramore. À família LGBTQ+ (e Brian, [O’Connor, maquiador, cabeleireiro e sócio de Hayley] estou falando diretamente com você), vocês estão cheios de amor e são amados”, escreveu a artista.

Sem mais artigos