A Justiça de Duisburg (oeste da Alemanha) abriu nesta terça-feira investigações contra 16 pessoas relacionadas com a tragédia do festival Loveparade, quando morreram 21 pessoas.

Entre os suspeitos, cujas identidades não foram informadas de forma oficial, há 11 funcionários do Governo local, quatro empregados da organização do espetáculo e um agente da Polícia, informou a Promotoria em comunicado.

No entanto, fontes próximas à magistratura apontaram que entre as pessoas contra as quais foram abertas diligências não estão o prefeito de Duisburg, Adolf Sauerland, nem o presidente da empresa organizadora, Rainer Schaller.

“Os responsáveis desta catástrofe devem ser identificados e apresentados à Justiça”, assegurou após o anúncio o ministro do Interior do estado federado de Renânia do Norte-Westfália, Ralf Jäger.

Até esta terça-feira, quase meio ano após uma tragédia que comoveu a Alemanha, as investigações foram abertas de forma provisória “contra desconhecidos” não especificados.

No dia 24 de julho um total de 21 jovens morreram esmagados e outros 500 ficaram feridos ao super-lotar um túnel que dava acesso ao evento de música eletrônica mais importante do mundo.

Desde então, as autoridades locais, a Polícia e a organização se enredaram em uma polêmica guerra de relatórios e declarações contraditórias para não assumir a responsabilidade pelo fato e culpar outras partes implicadas. 

Sem mais artigos