Marisa Monte, uma das artistas brasileiras mais reconhecidas no mundo, inicia amanhã, domingo, em Londres uma turnê colossal por seus recursos e por seu espírito, alheia à crise e reflexo do Brasil atual nos aspectos econômico e cultural.

“Foi um grande esforço”, reconhece a artista em entrevista telefônica à Agência Efe sobre a turnê, intitulada “Verdade, Uma Ilusão” e que terminará no dia 2 de maio em Madri.

Nos shows, Marisa apresentará seu último disco, “O que Você Quer Saber de Verdade”, o oitavo de sua carreira e o primeiro com canções inéditas desde “Universo ao Meu Redor” (2006).

Mais de um ano depois de seu lançamento, a cantora se diz satisfeita de como o álbum foi bem recebido pelo público, conseguindo alguns sucessos de destaque no Brasil.

Em entrevista concedida após o lançamento do álbum, após ter sido mãe novamente, se propôs não fazer mais de 80 shows na tentativa de conciliar sua carreira com sua família cada vez maior, uma meta para quem chegou a fazer 140 shows na turnê anterior.

“Desta vez provavelmente chegaremos aos 100”, anuncia resignada mas feliz, já que já passou dos 70 e agora encara o périplo europeu, com outras dez entrevistas, de Roma a Paris, passando por Lisboa e Porto.

Marisa chega à Europa com uma banda de nove músicos e o mesmo cenário que apresentou no Brasil, “uma grande estrutura” – conta – em que serão projetadas obras de artistas brasileiros contemporâneos em alta definição.

“É um grande esforço, mas para mim era importante mostrar o projeto completo fora do meu país”, explica a música, que define seu espetáculo como uma “exposição itinerante” e garante que não importa enfrentar uma jornada tão grande em tempos de crise quando o desafio é “estimulante”.

 

Em sua nova visita à Espanha, a primeira desde 2006, a carioca promete um concerto “mais dinâmico”, com uma “banda incrível” com mais de 20 anos de trajetória, composta por violão acústico e elétrico, ukelele, quarteto de cordas, além do formato básico de banda pop.

Tudo isso a permitirá desfilar pela vasta gama de estilos que é capaz de interpretar, do samba ao jazz.

“Adoro cantar samba e clássicos, canções tradicionais do Brasil, mas também temas contemporâneos de estilo pop. Não me sinto atada a um estilo, mas conectada ao sentimento poético das letras e dos instrumentos. Acho que isso é um reflexo da diversidade do Brasil e de sua capacidade para misturar tudo, criando uma linguagem nova”, diz.

Neste sentido, Marisa se declara “honrada” pela experiência vivida ao representar essa música na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres, quando o Rio de Janeiro tomou o bastão para os Jogos Olímpicos de 2016.

“Ensaiamos muito para poder desfrutar daquele momento com amigos e outros ícones brasileiros como o Pelé, foi incrível estar ali”, lembra a cantora, que soma mais esse marco a uma carreira que conta mais de 9 milhões de discos vendidos e três Grammys Latinos.

Enquanto viaja, de vez em quando pode desfrutar de “uma noite livre”, como a que viveu em sua última visita a Madri, quando o cineasta Fernando Trueba a convidou para uma festa em sua casa.

A jornada também lhe dá tempo para compor. Aliás, Marisa Monte anuncia que provavelmente gravará a turnê para um próximo lançamento e que incluirá alguns desses novos temas sobre “a experiência humana no planeta”. 

Sem mais artigos