O Mercado de Peixe, um dos grupos pioneiros a misturar música caipira com elementos contemporâneos está de volta. Sem apresentar novidades desde 2008, com o álbum Territórios Interioranos, a banda paulista anuncia a chegada de um novo trabalho de inéditas para novembro; o EP Água da Faca
 
 
Para comemorar a notícia, o sexteto divulgou para audição o single A Vida Passa, que estará no EP. O trabalho, sétimo da banda, é inspirado na mitologia dos indígenas sul-americanos, especialmente nos caminhos de Peabriu, que ligavam o Atlântico aos Andes, sendo o ponto de ligação entre o interior de São Paulo e Machu Picchu, a cidadela desaparecida dos incas. O nome vem do rio Água da Faca, que nasce como um córrego atrás do sítio São Lucas, em Piratininga, a 15 km de Bauru, cidade onde a banda nasceu, em meados de 1996.
 
     
 
Estilos que passeiam entre o frevo, samba, afoxé, rock, blues, e até gêneros ligados às pistas de dança e ao afrofuturismo estão no novo álbum do Mercado de Peixe. Mas a banda vai além e encontra espaço para encaixar balkan beats, etiojazz e afrobeat nas canções. Sonoridades inspiradas nos tuaregs, povos nômades do norte da África e nas fanfarras ciganas do Leste Europeu também se fazem presentes.
 
Água da Faca foi arranjado e gravado em um sítio em Piratininga, interior de São Paulo, em apenas quatro dias, tempo recorde para a banda, diz o baixista Fabiano Alcântara: “Fizemos um tipo de imersão”.Sobre a sensação de lançar um novo trabalho após seis anos afastados dos estúdios, ele ressalta: “É um recomeço. Um desafio de não se repetir, mas também de deixar fluir todas as referências que apareceram. Sempre fomos muito abertos em relação a gêneros, então nossa regra é não se preocupar em ficar dentro de nichos definidos. E hoje com a internet, nosso público é todo mundo para quem a música chegar e curtir”. 
 
Ouça abaixo A Vida Passa:
 
 
Sem mais artigos