Camila_Cara-2554

Mumford & Sons (foto: Camila Cara/I Hate Flash)

No line up do primeiro dia do Lollapalooza Brasil 2016, que rolou neste sábado (12) no Autódromo de Interlagos, tinha Die Antwoord, Alok, RL GRime, Halsey, Flosstradamus e o gigante Eminem, fortes representantes do rap e da eletrônica mundial. Porém, foram elas, as guitarras altas e distorcidas, que prevaleceram na maior parte do tempo.

Logo no início o duo brasuca The Baggios dava a letra de que ‘o rock não morreu’. Em seguida, o Matanza berrava aos prantos que Bom É Quando Faz Mal, e o público do festival, que é bem diferente dos fãs da banda carioca, o acompanhava. No Palco AXE, os americanos do Vintage Trouble misturavam blues com soul, e no Palco Onix o Eagles of Death Metal mostrava com distorção e suingue que sim, é possível sobreviver a uma tragédia se apoiando na música e no que mais gostam de fazer; um grande show!

(Para quem não sabe, o Eagles of Death Metal teve seu show marcado pelos horríveis atentados de Paris em novembro de 2015)

O público sem empolgou com a apresentação da banda de Jesse Hughes no palco Ônix, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo

Jesse Hughes, do EADM, mandando um <3 para o público (foto: Osmar Portilho)

Tá bom de rock ou quer mais?

Então, toma! Bad Religion fez um show de hinos punk: American Jesus, Generator, Sorrow, New America, Suffer e muitas outras estavam no repertório. Pena que o som não estava dos melhores, com guitarras estridentes realmente altas e nenhum baixo presente. Mas, o público em massa cantou e dançou; seja quem estava assistindo-os pela 1º vez ou relembrando o ótimo show que fizeram lá em 1996, no finado festival Close Up Planet.

Mila Maluhy_Bad Religion-4

Bad Religion (foto: Mila Maluhy/ I Hate Flash)

Depois, no mesmo palco teve o querido Tame Impala. Impressionante como os australianos se tornaram uma banda que conquista o grande público fazendo um som psicodélico. Não conseguimos pensar em um outro nome que consiga atingir essa marca hoje em dia. Já com banjos, violões e guitarras elétricas, o Mumford & Sons regeu uma multidão a seu favor e criou o momento fofo do festival com seu indie folk. No setlist teve Snake Eyes, Little Lion Man, Believe e Wilder Mind, que dá nome ao mais recente álbum deles, lançado em  2015.

Também teve a Marina and The Diamonds, que após cancelar repentinamente sua participação na edição de 2015, fez realmente sua estreia no Lolla Brasil, e com louvor. Mesmo sendo uma diva indie pop, o que se viu no palco foram instrumentos muito bem executados, além dos figurinos da cantora, que não foram poucos. Quem trocou o show do Eminem por ela, se deu bem.

Mila Maluhy_Tame Impala-1

Tame Impala (foto: Camila Cara / I Hate Flash)

Para não falar que só o rock fez a cabeça da galera, os sul-africanos do Die Antwoord fizeram um circo de horrores de difícil digestão no Palco AXE. Com muito movimento e apelo sexual, Yolandi e Ninja usavam sintetizadores e beats derivados da house para fritar a cabeça do pessoal. É um som que cai melhor em uma rave, mas o público não se importou e transformou o local em uma enorme pista de dança.

Ale Frata_Die Antwoord-31

Die Antwoord (foto: Ale Frata/ I Hate Flash)

Veja abaixo em fotos como foi o sábado do Lolla. E neste domingo (13) tem mais!

Sem mais artigos