Quem acha que o ano já acabou e que nada mais de impressionante acontece em 2014 não foi ao show do Thruston Moore na última quinta (04) em São Paulo. O ex-líder do Sonic Youth e seu supergrupo protagonizaram uma apresentação memorável para o devoto público que ocupou as instalações do Cine Joia.

A chuva leve e constante que caía na capital paulista não impediu que tudo começasse dentro do horário. De cara, a banda conduzida por Moore, com a incrível Debbie Googe, ex-baixista do My Bloody Valentine, James Sedwards e o brasileiro Thiago Babalu (!), mandou Forevermore, música mais longa do novo álbum, que tem cerca de 11 minutos. A plateia foi abaixo.

O som no Cine Joia, para a alegria dos fãs de Moore, Debbie e companhia, estava ótimo – o que não acontece sempre, como você deve saber. O disco The Best Day foi quem deu a tônica do dia, tocado em sua maioria. Esse projeto, aliás, não deixa a desejar em nada aos álbuns clássicos do Sonic Youth.

A plateia, que parecia ser formada em sua maioria por fãs fervorosos, estava entregue. De repente, uma galera começou a gritar “Babalu, Babalu!”, brincadeira aprovada por Moore, que se juntou ao coro, jocoso. Tratava-se de Thiago Babalu, que substituiu Steve Shelley na bateria.

O ex-Sonic Youth, assim que chegou a São Paulo, teve que fazer uma pequena cirurgia de emergência no olho e foi vetado de se apresentar. Babalu, que participa por aqui de bandas com os músicos Guizado e Jair Naves, topou na hora tocar com os caras.

Ele foi chamado para pegar as músicas na mesma tarde do show e não conhecia o disco novo de Moore, apesar de ser muito fã do som feito por ele. O brasileiro segurou a onda com louvor, sempre sob o apoio e supervisão de Debbie, que ficou o show quase todo ao lado de Babalu.

Speak To The Wild, Germs Burn, Grace Lake, Detonation e a faixa que dá nome ao álbum, The Best Day, foram tocadas em clima de arrebatamento coletivo.  A superbanda voltou ao palco duas vezes e deu palestra de barulho e distorção, mandando as duas músicas finais do show do disco Psychic Hearts, primeiro solo de Moore.

Acompanhadas de projeções psicodélicas no antigo cinema no bairro da Liberdade, a apresentação durou cerca de 1h30 e foi, com certeza, um dos shows (ou senão o show) mais notáveis de 2014 – que ainda, pasme, não acabou.

Acompanhe, na galeria abaixo, algumas imagens do show.

 

 

Sem mais artigos