Festival Sub Pop, no Audio Club, em São Paulo

| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu
| Créditos: Gabriel Nanbu

O selo norte-americano Sub Pop foi criado nos anos 80 e fez história ao longo de três décadas. A gravadora apresentou ao mundo, em seus primeiros anos, bandas seminais do grunge como Nirvana, Soundgarden e Mudhoney. O Mudhoney, filho exemplar do movimento, se apresentou em São Paulo na noite de quinta-feira (15), no Festival Sub Pop, ao lado da quase-punk Metz e da moderninha Obits. O Virgula Música esteve no local e diz o que achou.

MUDHONEY
Dentre os artistas da Sub Pop das antigas, o Mudhoney é, provavelmente, o que mais deu certo como uma banda alternativa. Eles não alcançaram o sucesso sufocante do Nirvana, mas se mantêm como um dos grupos mais influentes do rock indie (ou rock alternativo ou whatever). Uma das coisas mais impressionantes de vê-los no palco é a capacidade de Mark Arm, seu vocalista, de berrar rasgado sem ferrar a voz. Ele se movimenta como um Iggy Pop e canta como um demônio.

O Audio Club tem capacidade para 3 mil pessoas, e estava em cerca de três quartos de sua lotação. Apesar de o som da casa, no dia, parecer um rádio de pilha dentro de uma caixa de sapato (o que tira bastante do peso da apresentação), os caras conseguiram inspirar rodas e moshes enérgicos. Eles não deixaram de tocar nenhuma música dentre os hits. Suck You Dry, Touch Me I’m Sick, Here Comes Sickness e In and Out of Grace estavam na setlist. As ótimas covers The Money Will Roll Right In e Hate the Police também foram tocadas. Houve, também, espaço para boas surpresas para fãs mais ferrenhos da banda, como Judgement, Rage, Retribution And Thyme e Ghost.

OBITS
A primeira banda a subir no palco foi o Obits. Liderada por Rick Froberg, ex-vocalista e guitarrista de bandas importantes no cenário indie, como Drive Like Jehu e Hot Snakes, o Obits segue na pegada “guitar band”.

O show foi bastante cru. Iniciada logo depois de um breve agradecimento pela hospitalidade brasileira, a apresentação foi digna de músicos experientes (o outro guitarrista, Sohra Habibon, foi membro de banda Edsel). Com um som bem sujo e garageiro, o Obits agradou quem esperava por Metz e Mudhoney.

Mudhoney, Metz e Obits fazem barulho no Festival Sub Pop, em SP

Sem mais artigos