O recém-estreado musical das Spice Girls, Viva Forever!, foi recebido com críticas desfavoráveis pelos veículos de imprensa britânicos, que o consideraram “mais insípido que picante” e apontam as canções como o principal problema.

“O verdadeiro problema são as canções”, diz a manchete do jornal britânico The Guardian, que deu três estrelas de cinco ao espetáculo que se apresenta desde ontem à noite no Teatro Picadilly de Londres.

“As Spice Girls podem ter sido muitas coisas, mas autoras de um repertório cheio de clássicos imortais do pop não é uma delas: venderam discos se baseando nas personalidades de cada uma de suas integrantes e não pela qualidade das canções que cantavam”, afirma o jornal.

O grupo britânico “não tem sucessos memoráveis suficientes em sua carreira de três álbuns para duas horas de espetáculo. Sendo justos, só têm um punhado de canções decentes (Stop e Say You’ll Be There entre elas)”, acrescenta The Guardian, que reconhece o trabalho das atrizes, mas critica todo o resto.

O jornal The Independent elogia especialmente o trabalho do supervisor musical, Martin Koch, que “rearranjou sutilmente” as canções, para dar a elas um novo ritmo.

Segundo a rede pública BBC, é preciso deixar passar pelo menos meia hora de espetáculo para escutar um tema que vale a pena, Stop, e a maioria dos sucessos estaria na segunda metade do musical.

Na opinião do jornal The Times, o musical só merece duas de cinco estrelas, por ser “rudimentar, descuidado, estereotipado e pouco conclusivo” e, enfim, “mais insípido que picante”.

A crítica do The Times é mesmo a mais dura: “Viva Forever!: Não acredito que gostaríamos disso realmente”, publica o periódico, que critica o argumento e a qualidade das canções.

“Não importaria se as canções fossem boas. Mas a maioria delas não o são. Isso não é Abba e, das 22 canções, só umas quatro são memoráveis”, conclui o jornal. 

Sem mais artigos