O percussionista do grupo O Rappa, Paulo Negueba, internado após ser baleado, apresenta quadro clínico estável e será submetido, na segunda-feira, a um exame para avaliar o funcionamento de vasos arteriais na perna. O músico, que deve permanecer na unidade semi-intensiva de um hospital carioca por mais 48 horas, foi ferido nas costas e no pé na noite de sexta-feira numa incursão da polícia em Vigário Geral.

Durante a operação policial, em que houve reação dos traficantes, o percussionista da banda, Paulo Sérgio dos Santos Dias, conhecido como Paulo Negueba, foi ferido no pé e nas costas.

O percussionista está com anemia, devido ao sangramento pelo trauma e pela cirurgia à qual foi submetido, e vai precisar de transfusão de sangue, informou o Hospital Copa D’Or, onde o músico está internado, em boletim médico divulgado no domingo.

“Paulo Sérgio dos Santos Dias (Paulo Negueba) apresenta-se estável clinicamente, com controle adequado de dores (sob analgésicos) e sinais vitais estáveis (pressão arterial, pulso, frequência respiratória, oxigenação sanguínea e temperatura)”, informou o boletim.

Nesta segunda, segundo o hospital, ele será submetido a uma arteriografia digital para melhor avaliação dos vasos arteriais da perna, por recomendação da equipe de cirurgia vascular do médico Arno Von Ristow.

No sábado, a governadora do Rio de Janeiro, Benedita da Silva, exonerou o coronel Venâncio Moura, comandante do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) do Estado, após a incursão da PM na favela.

Outro integrante do Rappa, o baterista Marcelo Yuka, também foi vítima da violência no Rio. Em 2000, Yuka foi ferido a tiros durante um assalto. O músico ficou paraplégico.

Sem mais artigos