A polícia do Camboja disse, na quinta-feira, que vai deportar o astro britânico do “glam-rock”, Gary Glitter, assim que receber informações sobre seus delitos passados, apesar do artista não ter sido acusado de nenhum crime no país.

Ícone do pop dos anos 1970, Glitter, 57 anos, cujo nome real é Paul Francis Gadd, foi condenado a quatro meses de prisão na Grã-Bretanha, em 1999, depois de confessar-se culpado de 54 acusações de pornografia infantil.

Um policial de alto escalão disse à Reuters que os procedimentos para a deportação já foram iniciados, porque o músico está sujando a imagem do Camboja.

“Vamos deportá-lo assim que a Interpol nos entregar sua ficha”, disse Pol Pithey, chefe do Departamento de Polícia de Estrangeiros da capital, Phnom Penh.

O roqueiro, que está vivendo no país asiático há vários meses, teve seu passaporte confiscado pela polícia cambojana no fim de semana, sob a alegação de que não tinha registrado sua residência no local.

Usando capacete de motoqueiro e um cachecol para cobrir o rosto, Glitter foi buscar seu passaporte numa delegacia de polícia, nesta quinta-feira, e negou-se a dar declarações à imprensa.

A ministra de Assuntos Femininos do Camboja, Mu Sochua, vem pedindo sua deportação desde que ele foi descoberto, no último fim de semana, por jornalistas de um tablóide britânico, que alugaram um apartamento em Phnom Phen.

Glitter foi preso na Grã-Bretanha em novembro de 1997, quando um técnico de informática deparou-se com imagens indecentes de crianças no computador do astro, no momento em que realizava reparos na máquina.

Nos últimos anos, o Camboja vem atraindo um número grande de pedófilos estrangeiros, que viajam para o país para tirar vantagem de sua indústria de sexo infantil, aproveitando o poder judiciário e polícia fracos.

Durante os anos 1970, o maquiado Gary Glitter — vestindo roupas figurinos esdrúxulos de cetim, botas até o joelho, e usando um penteado bufante — liderou as paradas britânicas com sucessos como “I’m the Leader of the Gang” e “I Love You Love Me”. Ele já vendeu cerca de 18 milhões de discos.

Sem mais artigos