O cantor Jair Rodrigues, que iniciou sua carreira nos anos 1960 e se transformou em uma das vozes mais marcantes da MPB, morreu nesta quinta-feira aos 75 anos, informou a empresa JRC Produções, sua representante artística.

A morte do cantor foi noticiada através de uma breve mensagem em uma rede social, a qual afirmava que o músico estava em sua casa em Cotia, município da região metropolitana de São Paulo, mas não mencionava as causas de sua morte.

Além do celebre disco ao vivo “Dois na Bossa”, lançado ao lado de Elis Regina, com quem também dirigiu o programa de TV “O Fino da Bossa”, o cantor, com quase 50 discos gravados, tornou-se famoso por sua clássica interpretação de Disparada, uma composição de Geraldo Vandré e Théo Barros, no II Festival de Música Popular Brasileira, em 1966.

Os dois filhos de Jair Rodrigues, Luciana Mello e Jair Oliveira (Jairzinho), que também seguiram a carreira musical, ainda não se manifestaram sobre a morte do pai.

Jair Rodrigues de Oliveira nasceu no dia 6 de fevereiro de 1939 em Igarapava, em São Paulo, e começou sua carreira aos 18 anos como crooner em casas noturnas do interior.

Em 1960, o cantor se estabeleceu na capital paulista e começou a participar de programas de calouros, que, por sinal, impulsionaram sua carreira. Dois anos depois, o músico gravou seu primeiro disco, que incluía duas músicas dedicadas à conquista da Copa do Mundo de 1962 pela seleção brasileira: “Brasil Sensacional” e “Marechal da Victoria”.

Dois anos mais tarde, Jair Oliveira lançou seu segundo disco, “Vou de Samba com Você”, no qual imortalizou “Deixa isso pra lá”, um samba que segue vigente e que muitos consideram como o primeiro rap brasileiro devido a sua estrofe falada.

Apesar seus vínculos com a MPB e a bossa nova, Jair Rodrigues nunca se distanciou do samba e lançou vários discos do gênero. Em 2006, por exemplo, ele foi candidato ao Prêmio Grammy Latino na categoria de álbum de samba brasileiro.

Sem mais artigos