O The Mission se apresentou em Recife pelo Abril Pro Rock na última sexta-feira, no dia mais vazio do festival pernambucano segundo os organizadores, e protagonizou fracasso parecido em São Paulo, na terça-feira na Broadway, onde menos de 500 pessoas assistiram à gravação de um CD e um DVD acústicos.

Esta foi a primeira vez que o grupo britânico de rock gótico, grande sucesso dos anos 1980, tocou melodias acústicas de seus clássicos.

O show começou com uma versão lenta de “Amelia”, seguida de “Like A Child Again”. Logo de início o vocalista e guitarrista Wayne Hussey deixou clara a sua insatisfação com a péssima qualidade do som, o violão desafinado e o baixo quase nulo.

Apesar da insistência dele para que os problemas fossem resolvidos — Hussey parou o show diversas vezes –, nada mudou.

Com isso, a banda quase não arriscou novos arranjos e só empolgou a platéia quando tocou hits, como “Butterfly On A Wheel”, “Severina” e “Tower of Strenght”, esta última com participação especial de Bacalhau, ex-baterista do Rumbora, na percussão.

Depois de um pequeno intervalo, Hussey voltou ao palco sozinho e mostrou porque é adorado pelos fãs, fazendo o público vibrar com uma versão solo de “Stay With Me”. E anunciou sua saída da banda.

“O último show acontecerá em maio. Depois disso vou fazer uma turnê solo, pois não tenho nenhum plano futuro com a banda, embora ela ainda continue existindo”, afirmou Hussey à Reuters.

O final da apresentação foi marcado por um set elétrico, a parte mais interessante do show de três horas, provando que essa incursão do The Mission no acústico era totalmente desnecessária.

Embora os fãs brasileiros não sejam mais tão fiéis ao grupo, Hussey continua adorando o país, arrumou uma esposa tupiniquim e pretende se mudar de vez para cá.

O último álbum do grupo, “Aura”, acaba de ser lançado no Brasil pela gravadora FNM. O CD e o DVD acústicos deverão chegar às lojas até o final deste ano.

Sem mais artigos