O tratamento não é doloroso e pacientes sentem apenas um formigamento

Um grupo de cientistas descobriu que usar corrente elétrica nas partes íntimas de pacientes com disfunção erétil pode ajudar a combater o problema. Segundo testes feitos na Universidade Federal de Saúde e Ciências de Porto Alegre, homens conseguiram retornar à vida sexual após poucas sessões do tratamento. As informações foram publicadas no Daily Mail.

Um grupo de pesquisadores da universidade recrutou 22 homens entre 40 e 65 anos, com problemas severos de ereção. Onze deles passaram pelas sessões de choque nas partes íntimas e obtiveram os seguintes resultados: dois recuperaram a capacidade completa de ereção, cinco tiveram melhoras significativas e três deles não apresentaram alterações.

O tratamento envolve dois eletrodos que são colocados no pênis do paciente e sequências de cargas elétricas baixas. O tratamento não é doloroso e pacientes sentem apenas um formigamento na região.

Atores falam o que sentem nas cenas de sexo

“Cheguei a sentir dor em alguns momentos. Jamie Dornan era o primeiro a me cobrir quando a gente terminava de gravar e eu não estava vestindo muita coisa”, disse à  revista britânica Glamour Magazine.
Jamie Dornan estudou bastante as práticas de bondage (fetiche em amarrar e imobilizar o parceiro) para que tudo fosse feito de forma segura. Mas é óbvio que muitas vezes foi doloroso”, disse Dakota Johnson à revista britânica Glamour Magazine.
 “Filmar uma cena de sexo não é uma situação sedutora ou prazerosa. Pelo contrário, é suado e nada confortável”, disse Dakota Johnson para a revista americana Time, especialmente sobre as cenas de bondage em que Christian usa uma espécie de chicote em Anastasia
Bárbara Evans sobre cena com Cauã Reymond:
“Quanto mais confortável você está com a outra pessoa, mais difícil fica de fazer uma cena de relacionamento realmente intensa. Você fica pensando: ‘Eu não quero passar vergonha na frente dessa pessoa’”, desabafou o ex-vampiro para a Cosmopolitan. Será que o namoro com Kristen Stewart intimidava as cenas de sexo?
 “Em Crepúsculo, nós (Kristen Stewart e Robert Pattinson) tínhamos que fazer a cena de sexo mais épica de todos os tempos. Tinha que ser transcendental e de outro mundo, não-humana, o melhor sexo que você pode imaginar e a gente ficou tipo: ‘Como vamos atingir essas expectativas?’. Era agoniante. O que é horrível, porque a gente queria que a cena fosse boa”, disse Stewart para o site Harper's Bazaar, em 2015.
“Foi muito mais difícil criar e ser a Beatriz do que fazer essas cenas de sexo. Tudo é feito com muita delicadeza, com muito cuidado e de maneira muito profissional. Então, não foi uma questão para mim”, declarou a atriz no programa Altas Horas da TV Globo.
“Eu respeito meu corpo assim como o de quem divide a cena comigo. Estamos ali em função de um resultado bem maior que o ego inflado de qualquer pudor. A arte tem a necessidade de extrapolar os padrões criados pela sociedade, ator não pode perder tempo com pudor, não”, conta para o site G1
 “Eu já tive momentos ilustres na minha carreira, mas a coisa mais difícil foi fingir estar excitado pela Anne Hathaway. E eu estou orgulhoso de realmente ter conseguido.”
“Tirar a roupa na frente de estranhos é ‘revoltantemente constrangedor’. Tenho medo de ficar nua em público e, por isso, raramente vou à praia de biquíni. Em 'Amor e Outras Drogas' eu tentava tirar a roupa apenas no último minuto antes das cenas de sexo. Mas cada vez que eu colocava e tirava o roupão, a maquiagem corporal saía e eu tinha que ficar mais tempo na cadeira da maquiadora. Então, eventualmente, precisei manter a calma e perder a vergonha”, contou Anne Hathaway para o Cosmopolitan.
“Não dá pra pensar em você mesmo. Não sou eu ali. É a representação de outra pessoa.”
“É difícil fazer uma cena de sexo e ponto. Não importa se é com um amigo, com uma mulher ou com um homem. Você está com centenas de pessoas da equipe de filmagem que ficam te reposicionando, colocando iluminação… não existe conforto de maneira alguma”
“É difícil fazer uma cena de sexo e ponto. Não importa se é com um amigo, com uma mulher ou com um homem. Você está com centenas de pessoas da equipe de filmagem que ficam te reposicionando, colocando iluminação… não existe conforto de maneira alguma”
“Basicamente, sexo entre dois homens, especialmente na primeira vez, é doloroso pra c*. O diretor disse que nunca havia visto tal sensação retratada de maneira tão perfeita quanto no filme. Ele queria que a cena parecesse como uma verdadeira perda de virgindade
“Começamos as filmagens pelo início do nosso relacionamento, o que foi divertido.  Então nós fizemos as cenas de sexo e foi... tóxico. Ryan e eu paramos de nos relacionar como Ryan e Michelle. Aquelas cenas não acabavam nunca. Eu tinha que dirigir um longo caminho do set até a minha casa todas as noites, e abria todas as janelas do carro, deixando a música no volume mais alto possível - aí eu colocava minha cabeça na janela e gritava. Era minha válvula de escape daquela situação
 “Foi difícil… Muitas vezes os atores conseguem enganar as pessoas que algo está acontecendo quando não está e nós tínhamos que ficar atentos em tudo aquilo que não fosse honesto. (...) Na vida real, sexo é uma bagunça, e nós queríamos reproduzir toda esse maravilhoso caos
“Começamos as filmagens pelo início do nosso relacionamento, o que foi divertido.  Então nós fizemos as cenas de sexo e foi... tóxico. Ryan e eu paramos de nos relacionar como Ryan e Michelle. Aquelas cenas não acabavam nunca. Eu tinha que dirigir um longo caminho do set até a minha casa todas as noites, e abria todas as janelas do carro, deixando a música no volume mais alto possível - aí eu colocava minha cabeça na janela e gritava. Era minha válvula de escape daquela situação
“A primeira coisa que eu faço é pedir desculpas. (...) Eu acho que foi Laurence Olivier que me deu esse conselho uma vez. Era algo como: ‘me desculpe se eu ficar excitado, e me desculpe se eu não ficar excitado’. De qualquer maneira, sempre haverá esse sentimento constrangedor de ‘isso está OK? aquilo está OK?’. Depois que acaba você finge que nada aconteceu. É aí que a gente vê quem é bom ator ou não”, disse à Cosmopolitan
Mila Kunis revelou, em entrevista ao The Howard Stein Show, que se aproximou intimamente de Ashton Kutcher com uma amizade colorida, meio que refazendo a trajetória de seus personagens no cinema. Ambos acabam se apaixonando pelo “amigo” em Amizade Colorida (2011) e Sexo Sem Compromisso (2011), em que Mila atuou ao lado de Justin Timberlake e Ashton com Natalie Portman, respectivamente. “Nós claramente não prestamos atenção. Apertamos as mãos, e estávamos tipo ‘vamos nos divertir’. Quer dizer, praticamente vivemos os nossos filmes”, explicou a morena se referindo às comédias românticas.
“Foi muito estressante pra mim. Eu falei pro meu agente que nunca mais queria fazer uma cena de sexo.”
“Eu fiquei deitada lá, sendo meio que esmagada por um corpo nu, pensando: ‘Eu quero sair dessa cama. Eu quero sair dessa cena. Eu quero sair dessa vida. Quem fez isso comigo?’. Até que eu me dei conta que eu sou minha própria chefe. Eu escrevi aquela cena. Eu estou dirigindo ela. Eu sou a pessoa que está me prendendo nessa escravidão sexual”

Choque no pênis é tratamento testado contra disfunção erétil

Sem mais artigos