Foi automático: enquanto começava a escrever os primeiros parágrafos desta matéria, dei aquela espiada sem compromisso na rede social de fotos mais famosa do mundo, assim mesmo, como quem não quer nada. O gesto inconsciente, porém, aponta para uma tendência que vem crescendo entre os jovens – ou millenials – do mundo inteiro.

O uso do contínuo do Instagram, acompanhado de outras redes sociais, não está livre de consequências negativas, como aponta o último estudo da Sociedade Real para a Saúde Pública do Reino Unido. Pesquisadores analisaram 1.479 jovens de idades entre 14 e 24 anos, que costumam usar com alguma frequência apps como Snapchat, Facebook, Instagram e Twitter.

Eles tinham de responder 14 questões sobre sentimentos relacionados a depressão, ansiedade e solidão durante o uso das redes sociais. Além disso, a pesquisa reforçou como cada aplicativo impactava noções de imagem corporal, autoestima, qualidade do sono e até mesmo bullying.

O resultado, como é “inconscientemente”sabido por muitos, é que o Instagram é a pior rede social em termos de bem-estar e saúde mental entre os jovens. Em outras palavras, todo mundo se sente meio péssimo depois de ver tantas fotos perfeitas e felizes no aplicativo, que no geral têm pouco ou quase nada de real.

Snapchat, Facebook e Twitter vieram logo atrás. Como se não bastasse tantos sentimentos negativos, todas as redes sociais estão relacionadas a cansaço físico, mental e insônia. Mas por que o Instagram lidera o ranking do mal estar?

“O aplicativo consegue, com bastante facilidade, fazer com que garotas e mulheres sintam que seus corpos não são bons ou bonitos o suficiente, graças a tantas fotos com edições e filtros que deixam outras pessoas parecendo perfeitas”, explicou uma participante do estudo.

“Temos uma geração de jovens com pouca confiança e amor-próprio em relação aos seus corpos”, acrescentam pesquisadores.

A recomendação dos especialistas é que o uso dos apps e redes sociais, de uma maneira geral, sejam controlados.

Você não precisa sair deletando tudo, claro; mas se as ferramentas causam mais angústia do que prazer, é hora de desligar o celular e buscar conforto em amigos, familiares e pessoas queridas.

Sem mais artigos