A estudante norte-americana Erin Smith, de 19 anos, chamou a atenção de cientistas do mundo inteiro ao criar um teste que detecta pessoas que possuem mal de Parkinson 10 anos mais cedo que o usual, usando técnicas de reconhecimento facial.

A ideia surgiu quando a jovem tinha ainda 15 anos, após assistir a filmes da franquia ‘De Volta Para o Futuro’. Erin notou ainda no primeiro filme, de 1986, que o ator Michael J. Fox já tinha alguns sintomas de mal de Parkinson, mesmo que a doença só tenha sido identificada em 1991.

Em entrevista ao tabloide Daily Mail, ela afirmou que o rosto do ator, que interpretou Marty McFly na franquia, tinha expressões que careciam de emoções, como estar com o lábio caído e a sobrancelha levantada.

“Eu sempre fui uma grande fã de ‘De Volta Para O Futuro’. Depois de ter a ideia inicial, consegui ver as imagens antigas para ver quando aconteceram as diferenças faciais de Michael. E enquanto eu procurava artigos médicos anteriores, descobri que as partes do cérebro que sofrem as primeiras mudanças no Parkinson são as mesmas partes envolvidas na formação da expressão facial”, revelou.

Ainda na adolescência, ela criou um protótipo de reconhecimento facial com base em imagens de vídeo. O projeto chamou tanta atenção que a Fundação Michael J. Fox financiou os primeiros estudos de Erin, e concluiu que o programa dela tinha 88% de precisão ao diferenciar portadores de Parkinson de pessoas saudáveis.

Para melhorar a sua criação, a jovem de 19 anos está à procura de novas pessoas que possam ajudá-la a desenvolver melhor seu programa. Smith, que é natural do Kansas, já possui apoio da Universidade de Stanford, na Califórnia, que deu a ela uma bolsa para estudos em ciência da computação e neurociência.

Dez coisas que você talvez não saiba sobre "De Volta para o Futuro"

De acordo com o livro, quem de fato canta Johnny B. Goode na cena do baile é Mark Campbell, e não Michael J. Fox. Mas a Universal queria manter a ilusão de que Fox cantava a música na cena, e assim Campbell não foi creditado pela faixa, mas recebeu uma porcentagem das vendas da trilha sonora do filme.
Na versão original do roteiro, o personagem de Christopher Lloyd se chamava Professor Brown (e não Doc), e em vez do cachorro Einstein ele tinha um chimpanzé de estimação chamado Shemp.
O roteiro do filme começou a rodar por Hollywood em 1980, sem sucesso. Ninguém acreditava no filme, e até a Disney recusou o projeto - alegando que o relacionamento quase incestuoso de Marty com sua mãe Lorraine ia contra os princípios familiares do estúdio. A única pessoa que botou fé no projeto foi Steven Spielberg - que, anos depois, seria de fato o produtor do filme.
Um dos motivos para Hollywood não acreditar em Zemeckis e Gale é que a dupla já havia roteirizado duas comédias que fracassaram nas bilheterias: Febre de Juventude (1978, sobre a Beatlemania em 1964) e Carros Usados (1980, estrelada por Kurt Russell). Ambas dirigidas por Zemeckis e produzidas por Spielberg.
Essa todo mundo está careca de saber. O primeiro ator a encarnar Marty McFly foi Eric Stoltz, que filmou durante cinco semanas mas acabou demitido, substituído por Michael J. Fox. Motivo principal: Eric não trouxe o humor necessário ao personagem, e representava com dramaticidade excessiva.
Mas o que pouca gente sabe é que Eric Stoltz derrotou vários jovens aspirantes a astros, na fase de audições para o papel de Marty. Entre eles Charlie Sheen, Johnny Depp, John Cusack e C. Thomas Howell - dá para imaginar Marty McFly na pele de um desses atores???
A demissão de Stoltz provocou a saída de outra pessoa: Melora Hardin, que vivia Jennifer, namorada de Marty. Motivo: Melora combinava com Stoltz (que é relativamente alto, espichado), mas não com Michael Fox (que, como todos sabem, é baixinho). Portanto a produção decidiu que o ator precisava de uma atriz mais baixa para fazer par. Assim, entrou no papel Claudia Wells.
Lea Thompson, intérprete de Lorraine, confessou que não curtiu a chegada de Michael J. Fox.
Wes Takahashi, animador da Industrial Light & Magic, que cuidou dos efeitos visuais do filme, declarou que ficou insatisfeito com os efeitos de raios.
Esse era o nome que um executivo da Universal queria para o filme. Spaceman from Pluto era referência à HQ que aparece no filme (Spacezombies from Pluto). Ele achava que Back to the Future era confuso para o público (oi?!) e portanto sugeriu a troca. Felizmente, Zemeckis e Gale insistiram no título original.

Jovem de 19 anos cria teste para detectar mal de Parkinson mais rápido

Sem mais artigos