Não é difícil encontrar mulheres com relatos de assédio e interações indesejadas em transportes públicos – uma nova pesquisa indica que 97% das mulheres já sofre tipo de assédio em meios de transporte, desde olhares insistentes até contato físico inapropriado, como encoxadas e agarradas.

Por isso, também tem se tornado cada vez mais comum casos em que mulheres desconhecidas se ajudam ao perceberem que algo está errado. Thaíza Paula teve a sorte de ter uma amiga inesperada nessa quinta-feira, dia 13, quando se sentiu observada intensamente por um desconhecido.

“A vontade de levantar e sair de perto, era grande”, Thaíza contou ao postar sobre o ocorrido. “Mas o medo do próprio tentar fazer alguma coisa pra impedir, era maior ainda! O homem além de não parar de me olhar, ficava o tempo todo olhando para trás e para os lados do ônibus”.

Foi então que Camila, que estava atrás de Thaíza, a cutucou e deu um bilhete, disfarçadamente. No bilhete, ela se apresentou e disse por Thaíza poderia fingir que a conhecia para sair de perto do homem suspeito. O relato todo, com fotos, pode ser lido aqui:

Numa época em que está cada vez mais difícil dizer de onde vem o perigo, é bom saber que a ajuda também pode vir da mesma forma. E quanto mais mulheres se ajudam, menos coragem os outros terão de mexer com outras!

Veja aqui algumas páginas no instagram que inspiram mulheres a se cuidarem, e a cuidarem umas das outras:

Perfis de empoderamento feminino nas redes sociais

Carol Rossetti é uma designer gráfica e ilustradora que escancara todas as imposições que a sociedade joga nas costas das mulheres e os pré-julgamentos com base de estereótipos em relação às mesmas. Suas ilustrações estimulam as mulheres a não darem importância para a opinião alheia, em relações a seus corpos, sua beleza, sua atitude e sua sexualidade, ainda mais quando essa opinião está repleta de preconceitos castradores. Twitter, Facebook e Instagram | Créditos: Reprodução/Instagram
O Think Olga é um blog feminino e feminista que busca empoderar as mulheres, fazendo com que elas saibam quais são os seus direitos, com que lutem contra o patriarcado e a sociedade que as limita, entre muitas outras coisas. Foi nele que o Chega de Fiu Fiu, campanha que vai contra o assédio que as mulheres sofrem em espaços públicos, que vão desde o famoso “fiu-fiu”, passando pelas cantadas na rua, até aquele que envolve contato físico. Facebook e Twitter | Créditos: Reprodução/Facebook
Emma Watson honrou super a Hermione na luta pelas minorias (quem não lembra do F.A.L.E.?) quando fez o seu discurso na ONU para a campanha HeForShe, que pretende trazer os homens para dentro do movimento feminista. Mas não é só nos discursos que a atriz brilha quando o assunto é empoderamento feminino. Em janeiro, quando uma garota disse que queria ser engenheira, mas que seu pai achava que era uma profissão masculina, Emma a aconselhou a se tornar uma engenheira. Muito amor, né? Twitter e Facebook | Créditos: Reprodução/Facebook
Mas como, muitas vezes, os homens confundem tudo e tomam a campanha da Emma e da ONU como um aval para se empoderar do nosso movimento e ficar de cagação de regra para as mulheres, temos em contrapartida a campanha Empodere Duas Mulheres. Ela foi idealizada por Maynara Fanucci e ao invés de tentar explicar o feminismo para os homens, ela ressalta que o aspecto mais importante do movimento é a sororidade. A ideia básica da campanha é que o feminismo é um movimento feito por mulheres e para mulheres, e antes que comece a acusação de man hating, o ponto é que os homens nunca serão (e nem podem querer ser) os protagonistas dessa causa. Facebook | Créditos: Reprodução/Facebook
Sirlanney é uma quadrinista que cria histórias sobre o cotidiano de uma mulher, falando sobre assuntos como sexo, masturbação, a opressão da sociedade em cima das mulheres, desilusões amorosas. Tudo no maior estilo autobiográfico, os quadrinhos trazem uma proposta de libertação das amarras super bacana. Em 2014 ela lançou o livro Magra de Ruim, que é uma coletânea do seu trabalho. Instagram e Facebook. | Créditos: Reprodução/Instagram
Feminista assumida, Lena Dunham está aí sempre mostrando que não é preciso seguir a vida dentro dos limites pré-estabelecidos pela sociedade. Criadora e estrela da série Girls, ela faz questão de aparecer em diversas cenas mostrando o corpo (que não  segue as riscas os modelos de beleza) e mostrar que se sente bem consigo mesma dessa forma, dando a nós um exemplo e tanto. Vira e mexe também ela está aí prontinha pra defender os direitos das mulheres. Twitter e Instagram | Créditos: Reprodução/Instagram
O Lugar de Mulher é um site feminino que busca desconstruir os padrões impostos pela sociedade machista e propagar ideias de que a mulher é dona de sua própria vida e seu próprio corpo. Criado por Clara Averbuck, Mari Messias e Polly, ele se extendeu para o Facebook, o Twitter e até mesmo o Instagram. Se liga! Instagram; Twitter e Facebook. | Créditos: Reprodução/Instagram
O projeto Não Aguento Quando aparece para mostrar os estereótipos que a sociedade constrói em relação às mulheres e desmistificá-los, ressaltando o quão hipócritas e machistas eles são. As bandeiras que o projeto defende vão desde a diversidade da beleza (saindo apenas dos padrões eurocêntricos, magros e altos) até a liberdade sexual das mulheres, passando por imposições físicas, assédio, entre outras coisas. Com mensagens simples, as sete fundadoras do NAQ conseguem muito bem mostrar seu ponte de vista e empoderar a si mesmas e às outras. Facebook, InstagramTwitter | Créditos: Reprodução/Instagram
Gabriela Masson, mais conhecida pelo seu nome artístico Lovelove6, é a criadora dos quadrinhos da Garota Siririca. A personagem, obviamente, é uma garota que gosta de se masturbar, não se envergonha disso e mostra que é uma coisa perfeitamente natural. A autora já admitiu que vê os quadrinhos como uma forma de se livrar da castração do prazer feminino que sociedade moralista cristã patriarcal coloca ao estabelecer a masturbação como um tabu para as mulheres. Facebook e Instagram | Créditos: Reprodução/Instagram
A atriz de Parks and Recreation, Rashida Jones, que é uma das produtoras do documentário Hot Girls Wanted, que aborda a entrada de garotas de 18/19 anos na indústria do porno “amador”. Dessa forma é possível entrar numa discussão de quão brutal e cruel essa indústria é com as jovens garotas. Twitter e Instagram | Créditos: Reprodução/Instagram
Esse site totalmente voltado para o mundo feminino tem com uma das fundadoras a atriz e cantora (e fofíssima) Zooey Deschanel. Além de mostrar o universo da mulher de uma forma super bacana, sem toda a palhaçada machista de que todo o mundo e a vida delas (nosso mundo, nossa vida) gira em torno dos homens, o seu conteúdo tem uma pegada bem legal de auto-valorização que a gente adora! Facebook; Twitter e Instagram | Créditos: Reprodução/Instagram

Mulher é salva de assediador em ônibus por desconhecida, entenda como

Sem mais artigos
Sair da versão mobile