Segredos revelados

Reprodução Segredos revelados em cinebiografia não autorizada

Em 25 de junho de 2009, Michael Jackson morreu em decorrência de uma overdose de remédios. A fatalidade ocorreu, principalmente, por causa de uma intoxicação com propofol, um anestésico muito potente.

Quase oito anos após a morte do rei do pop, o canal Lifetime estreou um filme que mostra os últimos dias de vida do cantor. ‘Searching for Neverland’ é uma cinebiografia não autorizada contada sob a ótica de Bill Whitfield e Javon Beard, dois guarda-costas que trabalharam para a família do artista por muitos anos. O roteiro foi baseado no livro ‘Remember the Time: Protecting Michael Jackson’, escrito pela dupla de seguranças.

Embora a veracidade dos fatos mostrados no documentário não possa ser confirmada, o site ‘The Hollywood Gossip‘ reuniu algumas revelações sobre o excêntrico astro da música que deixaram os fãs surpresos. Confira!

 

Cinebiografia não autorizada revela curiosidades sobre o Rei do Pop

Como todo mundo sabe, Michael colocava máscaras nos rostos dos filhos para que suas identidades não fossem conhecidas pelo público. De acordo com o documentário, ele transformou a necessidade do uso dos acessórios em uma grande brincadeira com as crianças.
Certa vez, um paparazzo teria conseguido fotografar Blanket e o segurança Javon Beard puxando a câmera para baixo. Michael teria pagado US$ 75 mil para o fotógrafo depois que Javon destruiu as evidências.
O Dr. Conrad Murray foi condenado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, pela sua atuação na morte do rei do pop. De acordo com o filme, Michael o conheceu quando Paris precisou de cuidados médicos em casa e a família não quis levá-la para um hospital.
Michael Jackson não participou de uma das festas de aniversário de Elizabeth Taylor porque temia que seu irmão, Randy, o seguisse até lá para pedir dinheiro e causasse um barraco.
Michael não celebrava o Natal porque era Testemunha de Jeová. No entanto, ele não impedia que seus filhos ganhassem presentes e comemorassem a festa cristã.
Quando ia ao cinema, o astro levava molho apimentado e spray de manteiga de casa para colocar na pipoca.
Seu ator favorito era Charles Chaplin, tanto que ele levou os filhos para um festival dedicado ao ‘rei da comédia’.
Michael arrematou a estatueta do Oscar de ‘O Vento Levou’ em um leilão por US$ 1,5 milhão. Para casos de emergências financeiras, ele carregava a estatueta  e uma pasta com US$ 200 mil em dinheiro, junto com os passaportes, em todas as viagens.
Ele gostava de ter privacidade. Em uma das cenas do filme, Michael aparece virando para a parede a câmera de segurança de um hotel de Washington.
O rei do pop tratava bem os fãs que o esperavam do lado de fora de sua casa e pedia para a polícia não empurrá-los.
Os guarda-costas de Michael Jackson assinaram um contrato que os impedia de dizer para quem eles trabalhavam. Isso teria afetado a vida pessoal dos seguranças. Bill Whitfield conta na cinebiografia que já perdeu um Natal para trabalhar para os Jacksons.
Certa vez, Michael disse ao segurança Bill que não conseguia fazer cinco shows por semana, que isso ia matá-lo.
Uma das músicas favoritas de Michael Jackson era ‘My Prerrogative’, de Bobby Brown.
O artista estava com muitas dívidas e deixou de pagar os seguranças Bill e Javon por cinco meses.
Para conseguir pagar suas dívidas, pessoas próximas sugeriram que Michael fizesse uma ‘residência’ de shows em Las Vegas.
Em uma das cenas, Michael tem um encontro, e Bill, que também estava trabalhando como motorista para ele, convence o artista a ir com a crush em um bar como um ‘casal normal’ faria, mas ele desiste da aventura depois de ser abordado na rua por um homem desconhecido.

16 segredos sobre Michael Jackson que você não sabia

Sem mais artigos